Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Rm 2,1-11)

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos.

1Ó homem, qualquer que sejas, tu que julgas, não tens desculpa; pois, julgando os outros, te condenas a ti mesmo, já que fazes as mesmas coisas, tu que julgas.

2Ora, sabemos que o julgamento de Deus se exerce segundo a verdade contra os que praticam tais coisas. 3Ó homem, tu que julgas os que praticam tais coisas e, no entanto, as fazes também tu, pensas que escaparás ao julgamento de Deus? 4Ou será que desprezas as riquezas de sua bondade, de sua tolerância, de sua longanimidade, não entendendo que a benignidade de Deus é um insistente convite para te converteres?

5Por causa de teu endurecimento no mal e por teu coração impenitente, estás acumulando ira para ti mesmo, no dia da ira, quando se revelará o justo juízo de Deus. 6Deus retribuirá a cada um segundo as suas obras. 7Para aqueles que, perseverando na prática do bem, buscam a glória, a honra e a incorruptibilidade, Deus dará a vida eterna; 8porém, para os que, por espírito de rebeldia, desobedecem à verdade e se submetem à iniquidade, estão reservadas ira e indignação. 9Tribulação e angústia para toda pessoa que faz o mal, primeiro para o judeu, mas também para o grego; 10glória, honra e paz para todo aquele que pratica o bem, primeiro para o judeu, mas também para o grego; 11pois Deus não faz distinção de pessoas.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 61)

— Senhor, pagais a cada um, conforme suas obras.

— Senhor, pagais a cada um, conforme suas obras.

— Só em Deus a minha alma tem repouso, porque dele é que me vem a salvação! Só ele é meu rochedo e salvação, a fortaleza, onde encontro segurança!

— Só em Deus a minha alma tem repouso, porque dele é que me vem a esperança! Só ele é meu rochedo e salvação, nele jamais vacilarei!

— Povo todo, esperai sempre no Senhor, e abri diante dele o coração: nosso Deus é um refúgio para nós!

Evangelho (Lc 11,42-46)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse o Senhor: 42“Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Vós deveríeis praticar isso, sem deixar de lado aquilo. 43Ai de vós, fariseus, porque gostais do lugar de honra nas sinagogas, e de serdes cumprimentados nas praças públicas. 44Ai de vós, porque sois como túmulos que não se veem, sobre os quais os homens andam sem saber”.

45Um mestre da Lei tomou a palavra e disse: “Mestre, falando assim, insultas-nos também a nós!” 46Jesus respondeu: “Ai de vós também, mestres da Lei, porque colocais sobre os homens cargas insuportáveis, e vós mesmos não tocais nessas cargas, nem com um só dedo”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Nossas práticas devem ser norteadas pelo amor e pela justiça

 “Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus” (Lucas 11,42).

As práticas religiosas são muito importantes para uma pessoa religiosa. As práticas oracionais, pagar o dízimo, ajudar a nossa comunidade, fazer penitência, praticar o jejum e tantos outros elementos importantes que fazem parte da vida religiosa de um homem que busca a Deus.

Mas elas não são suficientes e, mais ainda, todas as práticas que não são norteadas pelo amor de Deus e pela justiça, são práticas inúteis e não chegam ao coração de Deus. Então, tudo aquilo que fizermos para Deus que seja por um profundo amor a Ele, e não para nos aparecer ou ser melhor que os outros, não para sermos bem vistos, não para nos acharmos as pessoas mais religiosas. É importante que os outros nem saibam o que estamos fazendo, não podemos chamar atenção para aquilo que realizamos para Deus.

Todas as práticas que não são norteadas pelo amor e pela justiça são inúteis e não chegam ao coração de Deus

Esta é a verdadeira religião, a religião que nos conduz ao amor a Deus, tudo por amor a Ele. E se fazemos por amor a Ele, saberemos sofrer até as incompreensões, porque não fazemos para sermos compreendidos e aceitos, fazemos porque Deus nos ama e queremos corresponder ao seu amor amando-O sobre todas as coisas.

Do outro lado, o amor a Deus não pode jamais deixar de lado a justiça. Sejamos justos, honestos e corretos. Pratiquemos a justiça nos pequenos e grandes atos. Façamos a justiça acontecer; justiça com quem sofre e com quem é injustiçado.

Não podemos fechar os nossos olhos quando vemos o outro sofrer, não podemos nos acomodar quando vemos o outro sofrer tantos incômodos na vida. Ser justo é ter o coração de Deus que tem empatia e compaixão, que sabe o que o outro passa e coloca-se no lugar do próximo. 

Sejamos bons religiosos, vivendo a verdadeira religião, tendo nossas práticas religiosas, mas, acima de tudo, vivendo todas elas com muito amor a Deus e sendo justos em tudo o que realizarmos.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios