Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (At 25,13b-21)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, 13bo rei Agripa e Berenice chegaram a Cesareia e foram cumprimentar Festo. 14Como ficassem alguns dias aí, Festo expôs ao rei o caso de Paulo, dizendo: “Está aqui um homem que Félix deixou como prisioneiro. 15Quando eu estive em Jerusalém, os sumos sacerdotes e os anciãos dos judeus apresentaram acusações contra ele e pediram-me que o condenasse. 16Mas eu lhes respondi que os romanos não costumam entregar um homem antes que o acusado tenha sido confrontado com os acusadores e possa defender-se da acusação.

17Eles vieram para cá e, no dia seguinte, sem demora, sentei-me no tribunal e mandei trazer o homem. 18Seus acusadores compareceram diante dele, mas não trouxeram nenhuma acusação de crimes de que eu pudesse suspeitar. 19Tinham somente certas questões sobre a sua própria religião e a respeito de um certo Jesus que já morreu, mas que Paulo afirma estar vivo. 20Eu não sabia o que fazer para averiguar o assunto. Perguntei então a Paulo se ele preferia ir a Jerusalém, para ser julgado lá. 21Mas Paulo fez uma apelação para que a sua causa fosse reservada ao juízo do Augusto Imperador. Então ordenei que ficasse preso até que eu pudesse enviá-lo a César.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 102)

— O Senhor pôs o seu trono lá nos céus.

— O Senhor pôs o seu trono lá nos céus.

— Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e todo o meu ser, seu santo nome! Bendize, ó minha alma, ao Senhor, não te esqueças de nenhum de seus favores!

— Quanto os céus por sobre a terra se elevam, tanto é grande o seu amor aos que o temem; quanto dista o nascente do poente, tanto afasta para longe nossos crimes.

— O Senhor pôs o seu trono lá nos céus, e abrange o mundo inteiro seu reinado. Bendizei ao Senhor Deus, seus anjos todos, valorosos que cumpris as suas ordens.

Evangelho (Jo 21,15-19)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Jesus manifestou-se aos seus discípulos 15e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.

16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”. 19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Precisamos ser curados pelo amor de Deus

 “Pela terceira vez, perguntou a Pedro: ‘Simão, filho de João, tu me amas?’ Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava” (João 21,17).

Jesus, antes de subir aos Céus, nos diversos encontros que teve com Seus discípulos, com Seus apóstolos, aqueles que O seguiam de perto, Ele os quis confirmar no amor, na fé, na esperança, porque foi tudo isso que o Mestre semeou em seus corações enquanto esteve neste mundo presente.

É verdade que o medo e a covardia fazem tudo dispersar. Recebemos tantas coisas de Deus, mas quando não cuidamos do que recebemos, quando não cultivamos o que de Deus está em nós, perdemos, deixamos dispersar, porque nós também nos afastamos, também vamos para longe e renegamos aquilo que nós mesmos um dia confessamos.

Confessamos nosso amor a Deus, mas diante das tribulações e dos fracassos arrefecemos porque temos uma visão totalmente ingênua da fé, de acreditar que porque estamos em Deus, em tudo que realizarmos seremos bem sucedidos e vitoriosos.

É preciso que o amor de Deus cure-nos, pois o amor d’Ele que cura fortalece-nos na fé, no testemunho e no anúncio

Em Deus somos mais que vencedores, a nossa vitória é Ele, a nossa vitória é eterna, mas passamos por frustações, por decepções no mundo; e os apóstolos não estavam preparados ou não se prepararam, não quiseram se preparar, não quiseram se abrir para as decepções ou não quiseram enfrentar as tribulações, por isso estavam todos com esse espírito ainda depressivo diante de Jesus, o Ressuscitado.

O Senhor passou 40 dias cuidando do coração dos Seus, assim como Ele está no meio de nós cuidando do nosso coração atribulado e aflito por tudo que passamos e vivemos.

Pedro, aquele que jurava amor eterno, negou o Senhor três vezes. Não importa que O tenhamos negado, o que precisamos é ser curados pelo amor. É por isso que Jesus pergunta: “Pedro, tu me amas”, e ele responde: “Senhor, tu sabes que eu te amo”. Mas quando Jesus perguntou pela terceira vez, Pedro ficou triste. “Neguei o Senhor três vezes”. Jesus não estava “jogando na cara” de Pedro, pelo contrário, Ele estava curando o coração de Pedro tão ferido pelas suas próprias fraquezas, pela dubiedade que ele teve.

É preciso que o amor de Deus cure-nos, pois o amor d’Ele que cura fortalece-nos na fé, no testemunho e no anúncio. É esse amor que nos coloca de pé. Por isso, assim como Jesus curou o coração de Pedro, confirmou tudo que a ele, um dia, tinha dado – a graça de apascentar as suas ovelhas e seus cordeiros -, Deus quer nos confirmar nos dons, na unção, na graça, no amor e no perdão.

Permitamo-nos ser curados por Jesus, porque Ele quer realizar uma obra nova em nossa vida.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios