Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Jr 2,1-3.7-8.12-13)

Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

1A Palavra do Senhor foi-me dirigida, dizendo: 2“Vai e grita aos ouvidos de Jerusalém. Isto diz o Senhor: Lembro-me de ti, da afeição da jovem, do amor da noiva, de quando me seguias no deserto, numa terra inculta. 3Israel, consagrado ao Senhor, era como as primícias de sua colheita; todos os que dele comiam, pecavam; males caíam sobre eles”, diz o Senhor. 7“Eu vos introduzi numa terra de pomares, para que gozásseis de seus melhores produtos, mas, apenas chegados, contaminastes o país e tornastes abominável minha herança. 8Os sacerdotes nem perguntaram onde está o Senhor. Os versados na Lei não me reconheceram, e os chefes do povo voltaram-me as costas, os profetas profetizaram em nome de Baal e correram atrás de coisas que para nada servem. 12Ó céus, espantai-vos diante disso, enchei-vos de grande horror”, diz o Senhor. 13“Dois pecados cometeu meu povo: abandonou-me a mim, fonte de água viva, e preferiu cavar cisternas, cisternas defeituosas que não podem reter água”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 35)

— Em vós está a fonte da vida, ó Senhor!

— Em vós está a fonte da vida, ó Senhor!

— Vosso amor chega aos céus, ó Senhor, chega às nuvens a vossa verdade. Como as altas montanhas eternas é a vossa justiça, Senhor.

— Quão preciosa é, Senhor, vossa graça! Eis que os filhos dos homens se abrigam sob a sombra das asas de Deus. Na abundância de vossa morada, eles vêm saciar-se de bens. Vós lhes dais de beber água viva, na torrente das vossas delícias.

— Pois em vós está a fonte da vida, e em vossa luz contemplamos a luz. Conservai aos fiéis vossa graça, e aos retos, a vossa justiça!

Evangelho (Mt 13,10-17)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 10os discípulos aproximaram-se e disseram a Jesus: “Por que tu falas ao povo em parábolas?” 11Jesus respondeu: “Porque a vós foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos Céus, mas a eles não é dado. 12Pois à pessoa que tem, será dado ainda mais, e terá em abundância; mas à pessoa que não tem, será tirado até o pouco que tem. 13É por isso que eu lhes falo em parábolas: porque olhando, eles não veem, e ouvindo, eles não escutam, nem compreendem. 14Deste modo se cumpre neles a profecia de Isaías: ‘Havereis de ouvir, sem nada entender. Havereis de olhar, sem nada ver. 15Porque o coração deste povo se tornou insensível. Eles ouviram com má vontade e fecharam seus olhos, para não ver com os olhos nem ouvir com os ouvidos, nem compreender com o coração, de modo que se convertam e eu os cure’. 16Felizes sois vós, porque vossos olhos veem e vossos ouvidos ouvem. 17Em verdade vos digo, muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes, e não viram, desejaram ouvir o que ouvis, e não ouviram”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Unamos o nosso coração à graça de Deus

 “Porque o coração deste povo se tornou insensível. Eles ouviram com má vontade e fecharam seus olhos, para não ver com os olhos nem ouvir com os ouvidos, nem compreender com o coração” (Mateus 13,15).

Jesus, hoje, está dizendo aos Seus discípulos qual o motivo de Ele explicar o Reino dos Céus em parábolas. É até estranho Ele dizer que aqueles que não veem, não enxergam mesmo, e aqueles que não escutam, não compreendem (cf. Mateus 13,13). Porque, na verdade, é assim. Aqueles que, de fato, se abrem para acolher o Reino de Deus em Jesus, os olhos irão se abrir para vê-Lo, os ouvidos irão se abrir para ouvi-Lo e o coração há de se dilatar para acolhê-Lo. Então, quem tem, terá mais ainda, mas quem não tem, até o pouco que tem deixará de ter, porque simplesmente fechou o coração.

E Jesus está dizendo: “O coração deste povo é insensível”. Não podemos nos tornar insensíveis à graça de Deus. E não é só a sensibilidade do sentimentalismo. Tomemos cuidado, porque o sentimentalismo é um engano! Aqui, é a sensibilidade com a graça e com aquilo que é de Deus.

No meio de tantos afazeres, preocupações e ocupações que temos na vida, vamos, aos poucos, perdendo a sensibilidade da graça, e o que é pior: vamos ter má vontade. Quantas pessoas têm má vontade para ir à Missa, para fazer as orações, para meditar a Palavra de Deus. À medida que a má vontade e a insensibilidade espiritual tomam conta de nós, os olhos vão se fechando, o olhar da graça vai se perdendo, os ouvidos vão travando, não conseguimos mais ouvir a Palavra de Deus, o coração se fecha, não nos convertemos e não tocamos na graça.

Precisamos, em meio às frustrações e decepções, nos tornar mais unidos e ligados à graça de Deus

Nós nos acomodamos porque somos da Igreja há tanto tempo, porque já lemos toda a Palavra de Deus, porque já rezamos bastante – mas, infelizmente, não compreendemos nada –, porque a insensibilidade vai tomando conta de nós. Vamos nos acostumando com o comum, e não vamos nos sensibilizando para aquilo que a Palavra pode e deve realizar em nossa vida.   

Cuidemos de nossas emoções e dos nossos sentimentos, porque se eles são conduzidos pelas decepções, mágoas ou frustrações que muitas vezes experimentamos na vida, isso vai nos tornando insensíveis para a graça, quando, na verdade, é contrário: precisamos, em meio às frustrações e decepções, nos tornar mais unidos e ligados à graça de Deus.

É aí que precisamos ser cada vez mais unidos a Jesus e à graça, mas se nos fazemos de vítima, de coitado, se nos colocamos como aquele que diz: “Religião não vale”. “A Igreja é isso”. “O outro é aquilo”… Perdemos ou estamos perdendo a sensibilidade para o essencial, e por isso a Palavra não tem tido força nem ressonância no nosso coração.

O problema não é a Palavra, não é Deus, não é Igreja nem são as situações, o problema somos nós que nos deixamos focar naquilo que é a nossa vontade ou nos deixamos levar pelas decepções, mágoas, e perdemos a sensibilidade religiosa.

Trabalhemos para sermos cada vez mais sensíveis ao Reino dos Céus, para que a piedade divina, para que todos aqueles sentimentos religiosos, verdadeiros e autênticos, que um dia foram depositados em nosso coração, sejam ressuscitados pelo poder da graça de Deus, porque, no final, tudo passa, e é a nossa união com Deus que prevalece.

Deus abençoe você!   

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.