Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (1Sm 24,3-21)

Leitura do Primeiro Livro de Samuel.

Naqueles dias, 3Saul tomou consigo três mil homens escolhidos em todo o Israel e saiu em busca de Davi e de seus homens, até os rochedos das cabras monteses. 4E chegou aos currais de ovelhas que encontrou no caminho. Havia ali uma gruta, onde Saul entrou para satisfazer suas necessidades. Davi e seus homens achavam-se no fundo da gruta 5e os homens de Davi disseram-lhe: “Este certamente é o dia do qual o Senhor te falou: ‘Eu te entregarei o teu inimigo, para que faças dele o que quiseres’. Então Davi aproximou-se de mansinho e cortou a ponta do manto de Saul. 6Mas logo o seu coração se encheu de remorsos por ter feito aquilo, 7e disse aos seus homens: “Que o Senhor me livre de fazer uma coisa dessas ao ungido do Senhor, levantando a minha mão contra ele, o ungido do Senhor”.

8Com essas palavras, Davi conteve os seus homens, e não permitiu que se lançassem sobre Saul. Este deixou a gruta e seguiu seu caminho.

9Davi levantou-se a seguir, saiu da gruta e gritou atrás dele: “Senhor, meu rei!” Saul voltou-se e Davi inclinou-se até o chão e prostrou-se. 10E disse a Saul: “Por que dás ouvidos às palavras dos que te dizem que Davi procura fazer-te mal? 11Viste hoje com teus próprios olhos que o Senhor te entregou em minhas mãos, na gruta. Renunciando a matar-te! Poupei-te a vida, porque pensei: Não levantarei a mão contra o meu senhor, pois ele é o ungido do Senhor, 12e meu pai.

Presta atenção, e vê em minha mão a ponta do teu manto. Se eu cortei este pedaço do teu manto e não te matei, reconhece que não há maldade nem crime em mim, que não pequei contra ti. Tu, porém, andas procurando tirar-me a vida. 13Que o Senhor seja nosso juiz e que ele me vingue de ti. Mas eu nunca levantarei a minha mão contra ti. 14‘Dos ímpios sairá a impiedade’, diz o antigo provérbio; por isso, a minha mão não te tocará. 15A quem persegues tu, ó rei de Israel? A quem persegues? Um cão morto! E uma pulga! 16Pois bem! O Senhor seja juiz e julgue entre mim e ti. Que ele examine e defenda a minha causa, e me livre das tuas mãos”.

17Quando Davi terminou de falar, Saul lhe disse: “É esta a tua voz, ó meu filho Davi? E começou a clamar e a chorar. 18Depois disse a Davi: “Tu és mais justo do que eu, porque me tens feito bem e eu só te tenho feito mal. 19Hoje me revelaste a tua bondade para comigo, pois o Senhor me entregou em tuas mãos e não me mataste. 20Qual é o homem que, encontrando o seu inimigo, o deixa ir embora tranquilamente? Que o Senhor te recompense pelo bem que hoje me fizeste. 21Agora, eu sei com certeza que tu serás rei, e que terás em tua mão o reino de Israel”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 56)

— Piedade, Senhor, tende piedade.

— Piedade, Senhor, tende piedade.

— Piedade, Senhor, piedade, pois em vós se abriga a minh’alma! De vossas asas, à sombra, me achego, até que passe a tormenta, Senhor!

— Lanço um grito ao Senhor Deus Altíssimo, a este Deus que me dá todo o bem. Que me envie do céu sua ajuda e confunda os meus opressores! Deus me envie sua graça e verdade!

— Elevai-vos, ó Deus, sobre os céus, vossa glória refulja na terra! Vosso amor é mais alto que os céus, mais que as nuvens a vossa verdade!

Evangelho (Mc 3,13-19)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 13Jesus subiu ao monte e chamou os que ele quis. E foram até ele. 14Então Jesus designou Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar, 15com autoridade para expulsar os demônios. 16Designou, pois, os Doze: Simão, a quem deu o nome de Pedro; 17Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer “Filhos do trovão”; 18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o cananeu, 19e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Não sejamos movidos, de forma alguma, pela vingança

 “Saul disse a Davi: ‘Tu és mais justo do que eu, porque me tens feito bem e eu só te tenho feito mal. Hoje me revelaste a tua bondade para comigo, pois o Senhor me entregou em tuas mãos e não me mataste'” (1Sm 24,18-19).

Nós vemos, na Palavra de hoje, o quanto Saul perseguia a Davi. Saul tomou três mil homens, toda Israel, para capturar a Davi, matá-lo, persegui-lo, mas a graça de Deus estava com o pequeno Davi; e, no momento em que Saul adormece, ele é entregue nas mãos de Davi.

Davi tinha tudo para pegar a sua espada e cortar a cabeça de Saul, mas o sentimento do homem ungido é outro, não é o da vingança, do ódio, do ressentimento nem do rancor.

Por isso, o homem de Deus é um homem orante, é um homem que se coloca na presença de Deus até (e principalmente) nas adversidades, é assim que age Davi. Por isso, ele mesmo disse: “Que o Senhor me livre de fazer alguma coisa a um ungido d’Ele, levantando a minha mão contra ele; que o Senhor jamais permita que eu realize isso”.

Davi podia simplesmente usar até o argumento da legitima defesa porque, na verdade, Saul queria matá-lo, então, para se ver livre dele, Davi poderia matá-lo e seria justificado; e nós até poderíamos dizer: “Muio bem! Davi salvou a vida daquele que queria matá-lo”; mas aqui tem um sentimento maior, o do amor, da misericórdia, um coração que não é movido nem pela cólera, pela raiva, pelo ressentimento nem pelo ódio, mas é movido pelo amor e é capaz de perdoar o pior inimigo, aquele que, muitas vezes, faz tudo contra nós. É nessa unção que Davi trata o coração de Saul. 

Que o Senhor purifique o nosso coração e que não sejamos movidos, de forma alguma, pela vingança

Veja: ele amolece o coração de Saul; e esse fica deslumbrado, pelo menos naquele instante, diante da ação benéfica, bondosa, generosa, amorosa e divina do coração de Davi.

Hoje, o que nós queremos pedir ao coração do Senhor, nosso Deus, é que também purifique o nosso coração, que não sejamos movidos, de forma alguma, pela vingança, ódio e rancor. Pois, quando não fazemos o mal ao outro, nós desejamos o mal para ele e vibramos quando o mal acontece a ele. É comum sair da nossa boca, do nosso pensamento: “Tá vendo, eu falei, aqui se faz; aqui se paga”; esse é um sentimento humano, que vem do espírito mundano de desejar (nem que for no pensamento) a chamada “vingança mental”.

O homem de Deus se liberta desses pensamentos, sentimentos; ele é portador da graça, da misericórdia e da ternura divina até para o seu pior inimigo.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.