Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Ecl 3,1-11)

Leitura do Livro do Eclesiastes.

1Tudo tem seu tempo. Há um momento oportuno para tudo o que acontece debaixo do céu. 2Tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de colher a planta. 3Tempo de matar e tempo de salvar; tempo de destruir e tempo de construir. 4Tempo de chorar e tempo de rir; tempo de lamentar e tempo de dançar. 5Tempo de atirar pedras e tempo de as amontoar; tempo de abraçar e tempo de se separar. 6Tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de esbanjar. 7Tempo de rasgar e tempo de costurar; tempo de calar e tempo de falar. 8Tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz.

9Que proveito tira o trabalhador de seu esforço? 10Observei a tarefa que Deus impôs aos homens, para que nela se ocupassem. 11As coisas que ele fez são todas boas no tempo oportuno. Além disso, ele dispôs que fossem permanentes; no entanto o homem jamais chega a conhecer o princípio e o fim da ação que Deus realiza.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 143)

— Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

— Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

— Bendito seja o Senhor, meu rochedo. Ele é meu amor, meu refúgio, libertador, fortaleza e abrigo. É meu escudo: é nele que espero.

— Que é o homem, Senhor, para vós? Por que dele cuidais tanto assim, e no filho do homem pensais? Como o sopro de vento é o homem, os seus dias são sombra que passa.

Evangelho (Lc 9,18-22)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas. 

— Glória a vós, Senhor.

Aconteceu que Jesus 18estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?” 19Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”.

20Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. 21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. 22E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Abracemos as nossas fragilidades

“‘E vós, quem dizeis que eu sou?’” Pedro respondeu: ‘O Cristo de Deus’” (Lucas 9,20).

A narração do Evangelho de hoje nos coloca, primeiro, Jesus rezando num lugar retirado e os discípulos estavam com Ele. A oração é sempre luz para o coração e a alma, a oração é sempre o nosso modo de comunhão com Deus.

É saindo da oração, sem perder o espírito de oração, que Jesus pergunta aos Seus: “Quem diz o povo que eu sou?”. Muitos estavam vendo Jesus, mas o que esse povo dizia sobre Ele?

É verdade que muitos não entendiam quem era Ele, a mente foi se abrindo aos poucos, alguns achavam que era João Batista agindo ali e outros achavam que era como Elias ou algum dos antigos profetas.

É importante entender que não estavam achando que Jesus era a reencarnação deles, mas é Jesus agindo como esses profetas agiam, como João Batista, como Elias, ou ainda, como tinha a promessa de que Elias voltaria, acharam que era ele que tinha voltado. O povo ainda não tinha noção de quem era Jesus.

Os anos se passaram e tivemos a graça de conhecer Jesus na Sua essência, o Cristo Crucificado e Ressuscitado, mas é verdade que, até hoje, muitos não sabem quem é Jesus, confundem quem Ele é; ou, simplesmente, não tiveram um encontro pessoal com a identidade de Jesus.

Cristo Jesus abraçou todas as fragilidades; e, para segui-Lo, em espírito e verdade, precisamos, primeiro, abraçar as nossas.

Por isso, Ele se volta para os Seus discípulos: “E vocês, quem dizem que eu sou?”. É Pedro quem, de forma concisa, responde: “Tu és o Cristo de Deus”. Na verdade, essa é a identidade de Jesus, Ele é o Messias, o ungido, o enviado, é Aquele que os profetas d’Ele falaram, é Aquele que foi profetizado, é o Cristo de Deus, porém, Pedro ainda não tem a total consciência do que significa ser o Cristo.

Cristo, para alguns, é o Cristo triunfante e glorioso, e Ele é! Cristo é glorioso, porém, Ele deve, primeiro, sofrer muito, ser rejeitado, morto e só depois ressuscitar. Se não identificamos Cristo Crucificado, não podemos reconhecê-Lo Ressuscitado, se não passamos pela paixão, pela Via-Sacra do Senhor, não podemos acompanhá-Lo em Sua glória.

Por isso, o Messias que está na cabeça de alguns é um super-herói, vencedor sobre todas as coisas. Esse Cristo é vencedor sobre a morte, sobre o mal, mas Ele passa pela morte e pela rejeição humana. Muitos de nós não conseguimos trabalhar a nossa humanidade porque não queremos lidar com as fragilidades da existência humana.

Cristo Jesus abraçou todas as fragilidades; e, para segui-Lo, em espírito e verdade, precisamos, primeiro, abraçar as nossas. É preciso saber quem é Jesus, mas é preciso também saber quem somos, assumindo aquilo que somos e nossas fragilidades, porque elas serão transformadas pelo poder de Cristo Jesus.

Deus abençoe você!   

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.