Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Gn 18,1-15)

Leitura do Livro do Gênesis.

Naqueles dias, 1o Senhor apareceu a Abraão junto ao carvalho de Mambré, quando ele estava sentado à entrada da sua tenda, no maior calor do dia. 2Levantando os olhos, Abraão viu três homens de pé, perto dele. Assim que os viu, correu ao seu encontro e prostrou-se por terra. 3E disse: “Meu Senhor, se ganhei tua amizade, peço-te que não prossigas viagem, sem parar junto a mim, teu servo. 4Mandarei trazer um pouco de água para vos lavar os pés, e descansareis debaixo da árvore. 5Farei servir um pouco de pão para refazerdes vossas forças, antes de continuar a viagem. Pois foi para isso mesmo que vos aproximastes do vosso servo”. Eles responderam: “Faze como disseste”. 6Abraão entrou logo na tenda, onde estava Sara e lhe disse: “Toma depressa três medidas da mais fina farinha, amassa alguns pães e assa-os“. 7Depois, Abraão correu até o rebanho, pegou um bezerro dos mais tenros e melhores, e deu-o a um criado, para que o preparasse sem demora. 8A seguir, foi buscar coalhada, leite e o bezerro assado, e pôs tudo diante deles. Abraão, porém, permaneceu de pé, junto deles, debaixo da árvore, enquanto comiam. 9E eles lhe perguntaram: “Onde está Sara, tua mulher?” “Está na tenda”, respondeu ele. 10E um deles disse: “Voltarei, sem falta, no ano que vem, por este tempo, e Sara, tua mulher, já terá um filho”. Ouvindo isto, Sara pôs-se a rir, da entrada da tenda, que estava atrás dele. 11Abraão e Sara já eram velhos, muito avançados em idade, e para ela já havia cessado o período regular das mulheres. 12Por isso, Sara se pôs a rir em seu íntimo, dizendo: “Acabada como estou, terei ainda tal prazer, sendo meu marido já velho?” 13E o Senhor disse a Abraão: “Por que riu Sara, dizendo consigo mesma: ‘Acaso ainda terei um filho, sendo tão velha?’ 14Existe alguma coisa impossível para o Senhor? No ano que vem, voltarei por este tempo, e Sara já terá um filho”. 15Sara protestou, dizendo: “Eu não ri”, pois estava com medo. Mas ele insistiu: “Sim, tu riste”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Lc 1,46ss)

— O Senhor se lembrou de mostrar sua bondade.

— O Senhor se lembrou de mostrar sua bondade.

— A minh’alma engrandece ao Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador, pois, ele viu a pequenez de sua serva, eis que agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez por mim maravilhas e Santo é o seu nome.

— Seu amor, de geração em geração chega a todos que o respeitam. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos.

— Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Evangelho (Mt 8,5-17)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 5quando Jesus entrou em Cafarnaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: 6“Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”. 7Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. 8O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. 9Pois eu também sou subordinado e tenho soldados sob minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!’, e ele vai; e a outro: ‘Vem!’, e ele vem; e digo a meu escravo: ‘Faze isto!’, e ele faz”.

10Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado, e disse aos que o seguiam: “Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. 11Eu vos digo: muitos virão do Oriente e do Ocidente, se sentarão à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó, 12enquanto os herdeiros do Reino serão jogados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes”.

13Então, Jesus disse ao oficial: “Vai! e seja feito como tu creste”. E, naquela mesma hora, o empregado ficou curado. 14Entrando Jesus na casa de Pedro, viu a sogra dele deitada e com febre. 15Tocou-lhe a mão, e a febre a deixou. Ela se levantou, e pôs-se a servi-lo. 16Quando caiu a tarde, levaram a Jesus muitas pessoas possuídas pelo demônio. Ele expulsou os espíritos, com sua palavra, e curou todos os doentes, 17para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías: “Ele tomou as nossas dores e carregou as nossas enfermidades”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Somente os humildes possuem a fé autêntica

“Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado” (Mateus 8,8).

É muito comovente o Evangelho de hoje, porque Jesus voltando para a sua casa – Ele vivia em Cafarnaum, na Galileia – um oficial romano se aproxima d’Ele. Não é um judeu, um religioso; é aquele que está a serviço do império romano.

Esse oficial romano vai com toda a fé do seu coração suplicar… E não é por ele, é pelo seu empregado. “Senhor, o meu empregado está paralisado, está de cama, uma terrível paralisia toma conta dele, ele não pode se movimentar. É por isso que estou pedindo”.

Jesus vendo a fé daquele homem disse: “Eu vou curá-lo, vou levantá-lo”. E aqui cresce no diálogo a humildade desse oficial romano e a sua fé. “Senhor, eu nem sou digno. Eu nem tenho dignidade para tanto”. A dignidade que esse oficial tem é uma dignidade humana.

O oficial tem o poder, o prestígio, ele manda, mas não tem a dignidade da graça. E ele humildemente reconhece isso, ele humildemente reconhece que não é digno, mas ele sabe que basta uma só palavra de Jesus para que o seu empregado ficasse curado.

Existe a fé de acreditar, mas a fé de submeter-se só os humildes que a possuem

Ele poderia usar da sua autoridade para mandar nos seus soldados, mas ele não tem autoridade sobre a alma, sobre a enfermidade, não tem autoridade sobre a vida humana, porque essa autoridade pertence a Deus.

Que beleza, que graça e que humildade! É o que nos falta muitas vezes, porque uma fé só é eficaz se ela for humilde. Existe a fé de acreditar, mas a fé de submeter-se só os humildes que a possuem.

Às vezes, não entendemos porque conquistamos a graça, pois misturamos a nossa fé com a nossa soberba, com o nosso orgulho, com as nossas vantagens, com aquilo que chamamos de prestígios religiosos e humanos, porque nos achamos muito importantes, porque achamos que Deus é nosso servo, que Ele tem que nos servir, que Ele tem que honrar aquilo que Ele prometeu e falou.

Precisamos da humildade de reconhecer que não somos dignos, não somos merecedores nenhum, e queremos invocar nossos méritos, quando estamos revestidos de pecados, hipocrisias, maldades, vivemos julgando os outros.

Enquanto não tirarmos todas as cascas que colocamos sobre nós, enquanto não nos despirmos de todo o orgulho e soberba que paira sobre nós, viveremos uma fé inoperante, é uma fé que acredita, mas não opera graça, porque nós achamos que somos merecedores, mas somos indignos.

E na indignidade de um oficial romano, que não era religioso como tantos religiosos da sua época, é que Jesus vai dizer que nunca encontrou tamanha fé em Israel. Porque a grande fé ou a fé autêntica não é aquela onde usamos a “carapuça religiosa”, mas é a fé humilde, a fé da submissão, a fé que se coloca debaixo da autoridade de Deus.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios