Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (At 7,51-8,1a)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, Estêvão disse ao povo, aos anciãos e aos doutores da lei: 51“Homens de cabeça dura, insensíveis e incircuncisos de coração e ouvido! Vós sempre resististes ao Espírito Santo e como vossos pais agiram, assim fazeis vós! 52A qual dos profetas vossos pais não perseguiram? Eles mataram aqueles que anunciavam a vinda do Justo, do qual, agora, vós vos tornastes traidores e assassinos. 53Vós recebestes a Lei, por meio de anjos, e não a observastes!”

54Ao ouvir essas palavras, eles ficaram enfurecidos e rangeram os dentes contra Estêvão. 55Estêvão, cheio do Espírito Santo, olhou para o céu e viu a glória de Deus e Jesus, de pé, à direita de Deus. 56E disse: “Estou vendo o céu aberto, e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus”.

57Mas eles, dando grandes gritos e, tapando os ouvidos, avançaram todos juntos contra Estêvão; 58arrastaram-no para fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem, chamado Saulo. 59Enquanto o apedrejavam, Estêvão clamou dizendo: “Senhor Jesus, acolhe o meu espírito”. 60Dobrando os joelhos, gritou com voz forte: “Senhor, não os condenes por este pecado”. E, ao dizer isto, morreu. 8,1aSaulo era um dos que aprovavam a execução de Estêvão. 

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 30)

— Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito.

— Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito.

— Sede uma rocha protetora para mim, um abrigo bem seguro que me salve! Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza; por vossa honra orientai-me e conduzi-me!

— Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, porque vós me salvareis, ó Deus fiel! Quanto a mim, é ao Senhor que me confio, vosso amor me faz saltar de alegria.

— Mostrai serena a vossa face ao vosso servo e salvai-me pela vossa compaixão! Na proteção de vossa face os defendeis bem longe das intrigas dos mortais.

Evangelho (Jo 6,30-35)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, a multidão perguntou a Jesus: 30“Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obras fazes? 31Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer’”.

32Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu. 33Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”.

34Então pediram: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”. 35Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Jesus sacia a nossa fome de eternidade

 “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede” (João 6,35).

Jesus é o Pão da vida! Precisamos purificar a visão que temos sobre o pão, pois, olhamos para ele, aquele que compramos na padaria ou no mercado, como algo que serve para saciar a nossa fome. O pão é o símbolo do alimento, e o alimento é tudo que precisamos na vida para não perecermos.

O quanto é importante termos o alimento e quanta falta faz não termos o alimento. A carência dos alimentos nos leva a perecer pela fome de alimentos, pela indigência e pela miséria. Quantos sofrem porque não têm o pão de cada dia para comer, mas o excesso desses alimentos também gera sérios problemas para a nossa saúde e para a nossa própria saúde e subsistência humana. Há os que morrem porque não têm o que comer e os que morrem porque comem mais do que é devido e a saúde se complica.

Precisamos saber usar o alimento de cada dia e precisamos ter o alimento de cada dia. O alimento que temos ou o alimento que falta para alguns é para nos dar a vida terrena, esses não saciam a nossa sede de eternidade, não preenchem a fome mais profunda da alma e do coração.

Precisamos nos voltar para Jesus, nos alimentarmos d’Ele para não padecermos da fome de eternidade

Como estamos carentes. Eu sei o que é a carência de alimentos, sei o que é passar fome, mas sei o quanto é duro também ter fome de amor, de eternidade e de verdadeiros valores.  

Podemos ver na crise que vivemos, o quanto a humanidade está carente. Imaginávamos que a carência era somente para uma classe de pessoas que foram excluídas do pão de cada dia. Essa carência existe porque a humanidade não se alimentou do alimento da eternidade, porque a humanidade não se alimenta de Deus.

Quando não nos alimentamos de Deus nos tornamos egoístas, orgulhosos, soberbos e vaidosos. Nós nos preocupamos com o nosso pão, com a nossa despensa, com os alimentos que estão perecendo, com a nossa geladeira que está cheia e nem usamos tudo.

É falta de Deus, é falta do coração estar aberto para a graça de Deus. Ninguém alimenta o outro de verdade quando não se alimenta do amor de Deus em seu coração.

Quando Deus realmente é o nosso alimento, quando nos alimentamos d’Ele, saciamos a nossa fome e saciamos a fome dos outros,  não da fome de alimento que faz muitos perecerem, e sim da fome de eternidade e de amor a qual toda a humanidade perece, todos nós passamos e vivemos.

Precisamos nos voltar para Jesus, nos alimentarmos e nos preenchermos d’Ele para não padecermos à fome de eternidade. Ele é o nosso alimento e quem n’Ele crê é saciado na sua fome e na sua sede.  

Deus abençoe você!    

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.