Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (1Ts 4,9-11)

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses.

Irmãos, 9não é preciso escrever-vos a respeito do amor fraterno, pois já aprendestes de Deus mesmo a amar-vos uns aos outros. 10É o que já estais fazendo com todos os irmãos, em toda a Macedônia. Só podemos exortar-vos, irmãos, a progredirdes sempre mais. 11Procurai viver, com tranquilidade, dedicando-vos aos vossos afazeres e trabalhando com as próprias mãos, como recomendamos.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 97)

— O Senhor julgará as nações com justiça.

— O Senhor julgará as nações com justiça.

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

— Aplauda o mar com todo ser que nele vive, o mundo inteiro e toda gente! As montanhas e os rios batam palmas e exultem de alegria,

— Na presença do Senhor; pois ele vem, vem julgar a terra inteira. Julgará o universo com justiça e as nações com equidade.

Evangelho (Mt 25,14-30)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 14"Um homem ia viajar para o estrangeiro. Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. 15A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. Em seguida viajou. 16O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles, e lucrou outros cinco. 17Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois. 18Mas aquele que havia recebido um só, saiu, cavou um buraco na terra, e escondeu o dinheiro do seu patrão. 19Depois de muito tempo, o patrão voltou e foi acertar contas com os empregados. 20O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: ‘Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco que lucrei’. 21O patrão lhe disse: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ 22Chegou também o que havia recebido dois talentos, e disse: ‘Senhor, tu me entregaste dois talentos. Aqui estão mais dois que lucrei’. 23O patrão lhe disse: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ 24Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento, e disse: ‘Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ceifas onde não semeaste. 25Por isso fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence’. 26O patrão lhe respondeu: ‘Servo mau e preguiçoso! Tu sabias que eu colho onde não plantei e que ceifo onde não semeei? 27Então devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence’. 28Em seguida, o patrão ordenou: ‘Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! 29Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. 30Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora, na escuridão. Ali haverá choro e ranger de dentes!”

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Usemos bem os talentos que recebemos de Deus

 “Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade” (Mateus 25,14-15).

Essa parábola do homem que ia viajar para o estrangeiro — e, antes de viajar, pegou os bens que tinha e deu para os seus empregados, de acordo com a capacidade de cada um, para que cuidassem dos seus bens e na volta os seus bens tivessem sido cuidados e até, muitas vezes, crescido os bens que aquele homem tinha —, nos mostra o que é a nossa vida.

Todos nós temos capacidade, vamos sair, por favor, desse complexo de inferioridade, vamos sair desse sentimento que nós temos de querer diminuir nós mesmos. Todos nós temos capacidades!

Eu fico olhando, inclusive, pessoas que nasceram com limites da natureza, sejam limites psicológicos, limites físicos… Quando essas pessoas se dispõem a superar, elas dão show em nós que nos achamos “normais”, “capazes”, achamos que fisicamente nós somos completos. Elas, no limite que têm, ultrapassam seus próprios limites, e nós ficamos, muitas vezes, fechados, entristecidos, nos fechamos numa depressão porque não sabemos sair dos nossos próprios limites.

Deixe que realmente o pouco ou o muito talento que você tem seja usado

Não podemos ser esse servo mau e preguiçoso que recebeu um talento e o enterrou, porque fez pouco-caso. Não podemos ser assim! Primeiro, não podemos ser um servo mau, pois esse é aquele que não administra bem a sua própria vida, aquele que, na verdade, está pegando o talento, a capacidade enterrando e vivendo a vida de uma forma ociosa e preguiçosa.

Eu sei que muitas situações não dependem de nós, pessoas ficam desempregadas e não querem estar desempregadas, o problema é que é toda uma questão mais ampla. Mas eu sempre digo que uma pessoa pode ficar desempregada, mas desocupada jamais.

Eu vi pessoas que quando estavam desempregadas conseguiram transformar a vida, conseguiram se levantar… “Mas eu sou uma pessoa talentosa, eu estudei tantos anos para ser um engenheiro, para ser isso e aquilo, não vou fazer outra coisa”, aí você não vai fazer outra coisa, vai enterrar o seu talento e vai ficar simplesmente murmurando, reclamando, azedando a vida; e realmente a sua vida vai se tornar uma vida dura, cruel e amarga de se viver.

Não faça isso, saia para fora, deixe a criatividade fluir, deixe que realmente o pouco ou o muito talento que você tem seja usado, mas não deixe ele paralisado. Invente, crie, o Espírito criador está à nossa disposição quando nos pomos a trabalhar, a fazer, a criar, a sair do nosso comodismo, a sair da reclamação, da murmuração, do azedume para fazer a graça acontecer. Não enterremos os nossos talentos, todos nós temos; uns usam bem, outros não usam e outros usam até muito mal os próprios talentos da vida, mas cada um vai dar conta do dom que recebeu.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.