Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Cerca de 15 mil brasileiros acompanharam a cerimônia e festejaram na Praça São Pedro

A cerimônia de canonização de Irmã Dulce começou às dez horas da manhã de ontem, 13, em Roma,  cinco horas no horário de Brasília. Segundo o Vaticano, cerca de cinquenta mil pessoas acompanharam a Missa na Praça São Pedro. O grupo de brasileiros foi estimado em 15 mil. Além de irmã Dulce, outros quatro beatos também foram canonizados.

Logo no início da celebração, o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Cardeal Angelo Becciu, fez a apresentação dos novos santos e agradeceu ao Papa por ter aceito os pedido de canonização. A saudação aos novos santos foi feita logo no início da missa; seu exemplo de vida foi citado durante a homilia do Papa Francisco. “Peçamos para ser, assim, ‘luzes gentis’ no meio das trevas do mundo”, disse o Santo Padre.

Durante o momento do ofertório, o miraculado José Maurício Bragança Moreira, que recebeu a graça que levou à canonização de Irmã Dulce, entregou ao Papa um terço com a imagem da nova Santa. As palavras de Francisco e a história de Irmã Dulce marcaram quem estava na Praça São Pedro. “Irmã Dulce vai nas periferias existenciais e ali ama o pobre. Ela é aquilo que o Papa falou de insistir no diálogo com justiça aos mais necessitados”, destacou padre Reginaldo Teruel, do Paraná.

Para Emília Coscarele, de oitenta anos, o dia foi um retorno ao passado. Na década de mil novecentos e quarenta ela estudou na escola fundada por Irmã Dulce e chegou a acompanhar a religiosa em seu trabalho de caridade. “Ela ia na sala, depois da aula, e me buscava para acompanhá-la durante a caminhada. Quando eu fiquei sabendo da canonização eu tinha certeza que estaria aqui”, lembra emocionada.

Homilia do Papa Francisco na canonização de Irmã Dulce e outros beatos

Santa Missa com o rito da canonização dos beatos: John Henry Newman, Giuseppina Vannini, Mariam Thresia Chiramel Mankidiyan, Margherita Bays e a brasileira irmã Dulce Lopes Pontes

«A tua fé te salvou» (Lc 17, 19). É o ponto de chegada do Evangelho de hoje, que nos mostra o caminho da fé. Neste percurso de fé, vemos três etapas, vincadas pelos leprosos curados, que invocam, caminham e agradecem.

Primeiro, invocar. Os leprosos encontravam-se numa condição terrível não só pela doença em si, ainda hoje difusa e devendo ser combatida com todos os esforços possíveis, mas pela exclusão social. No tempo de Jesus, eram considerados impuros e, como tais, deviam estar isolados, separados (cf. Lv 13, 46). De facto, quando vão ter com Jesus, vemos que «se mantêm à distância» (Lc 17, 12). Embora a sua condição os coloque de lado, todavia diz o Evangelho que invocam Jesus «gritando» (17, 13) em voz alta. Não se deixam paralisar pelas exclusões dos homens e gritam a Deus, que não exclui ninguém. Assim se reduzem as distâncias, e a pessoa sai da solidão: não se fechando em auto lamentações, nem olhando aos juízos dos outros, mas invocando o Senhor, porque o Senhor ouve o grito de quem está abandonado.

Também nós – todos nós – necessitamos de cura, como aqueles leprosos. Precisamos de ser curados da pouca confiança em nós mesmos, na vida, no futuro; curados de muitos medos; dos vícios de que somos escravos; de tantos fechamentos, dependências e apegos: ao jogo, ao dinheiro, à televisão, ao celular, à opinião dos outros. O Senhor liberta e cura o coração, se O invocarmos, se lhe dissermos: «Senhor, eu creio que me podeis curar; curai-me dos meus fechamentos, livrai-me do mal e do medo, Jesus». No Evangelho de Lucas, os primeiros a invocar o nome de Jesus são os leprosos. Depois fá-lo-ão também um cego e um dos ladrões na cruz: pessoas carentes invocam o nome de Jesus, que significa Deus salva. De modo direto e espontâneo chamam Deus pelo seu nome. Chamar pelo nome é sinal de confidência, e o Senhor gosta disso. A fé cresce assim, com a invocação confiante, levando a Jesus aquilo que somos, com franqueza, sem esconder as nossas misérias. Invoquemos diariamente, com confiança, o nome de Jesus: Deus salva. Repitamo-lo: é oração. A oração é a porta da fé, a oração é o remédio do coração.

Caminhar é a segunda etapa. Neste breve Evangelho de hoje, aparece uma dezena de verbos de movimento. Mas o mais impressionante é sobretudo o facto de os leprosos serem curados, não quando estão diante de Jesus, mas depois enquanto caminham, como diz o texto: «Enquanto iam a caminho, ficaram purificados» (17, 14). São curados enquanto vão para Jerusalém, isto é, palmilhando uma estrada a subir. É no caminho da vida que a pessoa é purificada, um caminho frequentemente a subir, porque leva para o alto. A fé requer um caminho, uma saída; faz milagres, se sairmos das nossas cômodas certezas, se deixarmos os nossos portos serenos, os nossos ninhos confortáveis. A fé aumenta com o dom, e cresce com o risco. A fé atua, quando avançamos equipados com a confiança em Deus. A fé abre caminho através de passos humildes e concretos, como humildes e concretos foram o caminho dos leprosos e o banho de Naaman no rio Jordão, que ouvimos na primeira Leitura (cf. 2 Re 5, 14-17). O mesmo se passa conosco: avançamos na fé com o amor humilde e concreto, com a paciência diária, invocando Jesus e prosseguindo para diante.

Outro aspeto interessante no caminho dos leprosos é que se movem juntos. Refere o Evangelho, sempre no plural, que «iam a caminho» e «ficaram purificados» (Lc 17, 14): a fé é caminhar juntos, jamais sozinhos. Mas, uma vez curados, nove continuam pela sua estrada e apenas um regressa para agradecer. E Jesus desabafa a sua mágoa assim: «Onde estão os outros nove?» (17, 17). Quase parece perguntar pelos outros nove, ao único que voltou. É verdade! Constitui tarefa nossa – de nós que estamos aqui a «fazer Eucaristia», isto é, a agradecer –, constitui nossa tarefa ocuparmo-nos de quem deixou de caminhar, de quem se extraviou: somos guardiões dos irmãos distantes. Somos intercessores por eles, somos responsáveis por eles, isto é, chamados a responder por eles, a tê-los a peito. Queres crescer na fé? Ocupa-te dum irmão distante, duma irmã distante.

Invocar, caminhar e… agradecer: esta é a última etapa. Só àquele que agradece é que Jesus diz: «A tua fé te salvou» (17, 19). Não se encontra apenas curado; também está salvo. Isto diz-nos que o ponto de chegada não é a saúde, não é o estar bem, mas o encontro com Jesus. A salvação não é beber um copo de água para estar em forma; mas é ir à fonte, que é Jesus. Só Ele livra do mal e cura o coração; só o encontro com Ele é que salva, torna plena e bela a vida. Quando se encontra Jesus, brota espontaneamente o «obrigado», porque se descobre a coisa mais importante da vida: não o receber uma graça nem o resolver um problema, mas abraçar o Senhor da vida.

É encantador ver como aquele homem curado, que era um samaritano, manifesta a alegria com todo o seu ser: louva a Deus em voz alta, prostra-se, agradece (cf. 17, 15-16). O ponto culminante do caminho de fé é viver dando graças. Podemos perguntar-nos: Nós, que temos fé, vivemos os dias como um peso a suportar ou como um louvor a oferecer? Ficamos centrados em nós mesmos à espera de pedir a próxima graça, ou encontramos a nossa alegria em dar graças? Quando agradecemos, o Pai deixa-Se comover e derrama sobre nós o Espírito Santo. Agradecer não é questão de cortesia, de etiqueta, mas questão de fé. Um coração que agradece, permanece jovem. Dizer «obrigado, Senhor», ao acordar, durante o dia, antes de deitar, é antídoto ao envelhecimento do coração. E o mesmo se diga em família, entre os esposos: lembrem-se de dizer obrigado. Obrigado é a palavra mais simples e benéfica.

Invocar, caminhar, agradecer. Hoje, agradecemos ao Senhor pelos novos Santos, que caminharam na fé e agora invocamos como intercessores. Três deles são freiras e mostram-nos que a vida religiosa é um caminho de amor nas periferias existenciais do mundo. Ao passo que Santa Margarida Bays era uma costureira e revela-nos quão poderosa é a oração simples, a suportação com paciência, a doação silenciosa: através destas coisas, o Senhor fez reviver nela o esplendor da Páscoa. Da santidade do dia a dia, fala o Santo Cardeal Newman quando diz: «O cristão possui uma paz profunda, silenciosa, oculta, que o mundo não vê. (…) O cristão é alegre, calmo, bom, amável, educado, simples, modesto; não tem pretensões, (…) o seu comportamento está tão longe da ostentação e do requinte que facilmente se pode, à primeira vista, tomá-lo por uma pessoa comum» (Parochial and Plain Sermons, V, 5). Peçamos para ser, assim, «luzes gentis» no meio das trevas do mundo. Jesus, «ficai connosco e começaremos a brilhar como brilhais Vós, a brilhar de tal modo que sejamos uma luz para os outros» (Meditations on Christian Doctrine, VII, 3). Amen.

(Boletim da Santa Sé)

Festa na Praça São Pedro

A cerimônia de canonização de uma santa baiana não poderia terminar de outra forma, se não com festa. Após a missa, um grupo se reuniu na Praça São Pedro para cantar e comemorar. A cantora Margarete Menezes e o músico Waldonys fizeram uma pequena apresentação. Margarete é embaixadora da obras de Irmã Dulce na Bahia e comemora aniversário nesse dia treze.

“Quando eu fiquei sabendo que a canonização seria no dia do meu aniversário eu fiquei muito emocionada e feliz. Lembrei na hora da minha mãe que gostava muito de Irmã Dulce. Pedia à santa, também, que me ajudasse na missão de levar amor para todos os cantos”, disse emocionada.

Um exemplo de amor incondicional e de fé. Assim os fiéis e devotos de Irmã Dulce se referiam à santa a todo momento. A festa celebrada no Vaticano ontem, dia 13 de outubro revelou o que os corações dos católicos brasileiros já sabiam: Irmã Dulce inspira o amor ao próximo.

De autoridades brasileiras, também estiveram na cerimônia de canonização o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

Natália Jael/De Roma/Canção Nova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios