Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O dia 21 de janeiro comemora o Dia Mundial da Religião, uma data criada para lembrar, aos povos do mundo, que a religião deve unir e não separar os homens. Essa circunstância pode nos levar a colocar uma simples pergunta: o que é a religião?

Antes de tudo, a religião é uma manifestação tipicamente humana: não está presente nos outros seres vivos, mas somente no homem. E trata-se de uma manifestação que encontramos na humanidade de todos os tempos e de todos os lugares. É coisa mais do que sabida que, todas as culturas são profundamente marcadas pela religião e que as melhores produções artísticas e literárias, não só das civilizações antigas, mas também das modernas, inspiram-se em motivos religiosos.

O que é a religião?

Uma das explicações da origem etimológica do termo religião é a seguinte: religião vem de religar, que significa “unir” e indica a união do homem com sua origem e seu destino: Deus.

Uma outra explicação, sempre de origem etimológica, considera que o termo religião provém do verbo “re-ler”, quer dizer, “ler de novo”. Pense, por exemplo, na “leitura” (ou interpretação) do mistério do sofrimento e da morte. Para a simples leitura da história, a morte de Jesus foi o assassinato de um inocente condenado injustamente aos piores suplícios; mas para o religioso cristão, que “lê de novo”, aquela morte é a salvação da humanidade, sem, com isso, negar a “leitura” da história.

É bom distinguir religião como “atividade pessoal”, o que, às vezes, é chamada de religiosidade, de religião como “instituição social”, que indica as religiões do mundo. Neste último sentido, falamos do Hinduísmo, do Budismo, do Cristianismo, do Islamismo, do Judaísmo etc.

O Concílio Vaticano II, no ano de 1965, publicou um documento sobre o diálogo entre a Igreja e as religiões não cristãs, intitulado Nostra Aetate, que significa “Na nossa época”. Esse documento começa com as seguintes palavras: “Hoje, que o gênero humano se torna cada vez mais unido e aumentam as relações entre os vários povos, a Igreja considera mais atentamente qual a sua relação com as religiões não-cristãs”. E mais para frente, mostra qual pode ser o “elemento comum” das várias religiões. Nestes termos: “Os homens esperam das diversas religiões respostas para os enigmas da condição humana, os quais, hoje como ontem, profundamente preocupam seus corações: “O que é o homem?”; “Qual o sentido e a finalidade da vida?”; “O que é o pecado?”; “De onde provém o sofrimento e para que ele serve?”; “Qual é o caminho para alcançar a felicidade verdadeira?”; “O que é a morte, o juízo e a retribuição depois da morte?”. Finalmente: “Que mistério último e inefável envolve a nossa existência, do qual vimos e para onde vamos?”.

Esse “mistério”, para o qual se dirigem os anseios e as esperanças na religião, é designado por um nome: Deus. Ele é o significado último da existência, o Tu com que nos encontramos em nossa solidão e em nossa angústia, o ideal supremo do homem, o horizonte de nossa caminhada e de nossos anseios.

No entanto, Deus é descrito nos modos mais diversos nas diferentes religiões. Com efeito, o mistério de Deus é tão profundo e tão grande, que nenhuma palavra ou estrutura humana consegue “traduzi-lo” de maneira perfeita e completa; nossas tentativas de compreender Deus são sempre fracas. Pois Deus é, ao mesmo tempo, imanente e transcendente, ou seja, interior ao mundo e a cada ser, mas também é alguém que está acima de todos os seres. Por isso, alguns O concebem no interior do coração e outros no alto dos céus.

A raiz da religiosidade é a abertura do homem para o infinito. O homem é um ser insaciável, não havendo realidade concreta fora de Deus que satisfaça seus anseios de infinitude e eternidade. Esse mundo do mistério é tão grandioso e maravilhoso que se prestou, muitas vezes, a sérias deformações. Mas é graças a ele que a humanidade tem conseguido viver e dar sentido aos seus sofrimentos e lutas.

A religião faz parte do ser do homem: sem ela, o homem fica mutilado da dimensão fundamental da própria existência. Santo Agostinho expressou a essência da atitude religiosa em sua fórmula: “Fizeste-nos, Senhor, para Ti e o nosso coração permanece inquieto enquanto não repousa em Ti”.

Lino Rampazzo é professor e pesquisador no Programa de Mestrado em Direito do Centro Unisal – U.E. de Lorena (SP) – e coordenador do Curso de Teologia da Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP).

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.