Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Estamos sempre à espera de que o semelhante nos faça somente o bem. Em todos os lugares, em várias circunstâncias, ao nos depararmos com outras pessoas, esperamos uma boa recepção, a aprovação social, o melhor lugar etc. Muitas vezes, até de familiares e amigos mais próximos gestamos a expectativa de adquirir sua melhor acolhida, o que nem sempre acontece.

Há, no ser humano, uma inclinação em querer o melhor para si. Sentimo-nos injustiçados ou inocentes quando isso não acontece. Esquecemos, por um momento, que também a outra pessoa deseja e pode estar disposta a lutar, se for preciso, por um lugar privilegiado. Também os apóstolos discutiam quem entre eles seria o maior.

Desculpamo-nos, muitas vezes, por não fazermos o bem, por não sermos correspondidos favoravelmente num contato, devolvendo ao indiferente ou àquele que nos agride uma atitude recíproca que ele nos dispensou. Talvez o pecado original seja o principal responsável por tais atitudes em nós.

Deixe o bem exalar do seu interior

O lado humano é a primeira impressão de justiça e amor-próprio que grita dentro de nós. Também a tentação de nos comparar, na situação, uns com os outros, justificaria a sensação de injustiça. “Por que ele pode e eu não?”. Por mínima que seja a atitude de desaprovação, já imaginamos: “O que fiz para essa pessoa?”, ou então: “Que falta de consideração!”, ou ainda: “Nem me notou!”. Pensamentos assim nos detêm na capacidade de respondermos diferente.

A consciência e a vontade de querer ir além das mazelas humanas devem ser maiores. O que levou o outro a querer o melhor só para si esquecendo-se da fadiga e do cansaço alheio? Com certeza, se descobríssemos seus infortúnios vida afora, ainda que menores que os de outros, veríamos sua atitude de forma diferente, olharíamos com piedade e entenderíamos seus limites. Por incrível que pareça, se quisermos a consideração das pessoas, ou melhor, para revertermos qualquer situação difícil em algo favorável, devemos deixar exalar do nosso interior o bem que queremos receber dos outros.

O bem que aprendemos dos que nos amam incondicionalmente é o que muda e converte o coração dos que nos são indiferentes. Como alguém pode aprender a amar se não há quem o ensine e lhe dê exemplo? A resposta na mesma moeda não tem valor quando se trata da conquista de um coração!

Humildade e amor

Supere você as expectativas do outro. É Nosso Senhor Jesus Cristo quem nos ensina a agir acima da simples sombra da justiça humana e a pensar segundo a misericórdia divina. “Até os pecadores prestam ajuda aos pecadores, para receberem o equivalente. Amai vossos inimigos, fazei o bem e prestai ajuda sem esperar coisa alguma em troca” (Lc 6, 34-35).

Não ter uma imagem elevada de si mesmo e nunca contar com a total atenção e serviço de todos alimenta a humildade. Ser humilde é a principal característica de quem entendeu o Amor, e o Amor esvaziou-se de si e se entregou a cada um de nós. Sigamos o exemplo d’Ele para encontrar a felicidade eterna. Amar e ensinar a amar, essa é a nossa vocação! Deus o abençoe.

Sandro Arquejada - Missionário da Comunidade Canção Nova, Sandro Arquejada é formado em Administração de Empresas pela Faculdade Salesiana de Lins (SP). Atualmente, trabalha na Editora Canção Nova. Autor de livros pela Editora Canção Nova, ele já publicou três obras: “Maria, humana como nós”; “As cinco fases do namoro”; e “Terço dos Homens e a grande missão masculina”.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.