Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Esse versículo está em uma das liturgias desta semana e foi a minha inspiração para essa mensagem. Jesus veio para nos trazer a liberdade.

Deus criou o homem de tal forma que deixou a decisão de sua vida entregue em suas mãos, como diz no Livro do Eclesiástico: Deus criou o homem e entregou a suas próprias decisões (Eclo 15,14). Então, os atos levam à imputabilidade. O que fazemos tem consequências para nós, para os outros e para nossa salvação.

É para a liberdade que Cristo nos libertou. Deus nos deu o chamado “livre arbítrio”, que é a liberdade de fazermos escolhas, de agir ou não agir, de fazer as coisas ou não fazer. Essa liberdade alcança a sua perfeição quando está em profunda sintonia com Deus.

Deus é misericordioso, mas respeita o nosso livre arbítrio. Deus é bondoso, mas sofreremos as consequências do nosso livre arbítrio, porque Ele deixou o homem nas mãos de suas próprias decisões.

No nosso dia a dia temos que tomar decisões, não estamos protegidos por uma redoma. Temos que usar nosso livre arbítrio e nos valer de nossa liberdade. Mas como não errar? Como fazer as escolhas certas?

O ser humano pode ou não seguir a Deus, é nossa decisão também. Enquanto não estivermos em plena sintonia com Deus, enquanto não estivermos absorvidos em Deus, podemos escolher o bem e o mal. Crescer na perfeição para Deus ou definhar no pecado. A decisão é nossa. Não é por acaso que o primeiro Salmo fala dos dois caminhos: o da perfeição ascendente a Deus ou o do ímpio que definha no pecado e na mentira.

Quanto mais praticamos o bem, quanto mais nossas opções forem para o bem, mais nos tornamos livres. A liberdade é fruto das escolhas boas. As escolhas para o mal nos tornam escravos. Livres para servir, é a nossa opção concreta para o bem.

Na vida, não conseguimos ficar sem pender para um lado. É visível se uma pessoa toma o caminho do mal, vai piorando em todos os aspectos. Se opta pela mentira, outros pecados se agregam e a pessoa se torna mais má. Não porque Deus quis, mas sim pelas escolhas da pessoa em suas sucessivas opções. Escolher pela mentira, adultério, fornicação, perjúrio e a injustiça levam-na a agregar sobre si um mal que a faz escrava.

A liberdade que Jesus conquistou na cruz quebrou o pecado de Adão e nos deu a chance de escolher o bem. E mesmo Cristo tendo vencido a morte e derrubado o diabo, Ele não pode interferir no que o Pai criou: o homem e a mulher livres para tomar suas próprias decisões. A vitória está ganha em Cristo, a liberdade foi conquistada, mas sair do cativeiro depende de nós.

O livre arbítrio, a liberdade que foi um presente de Deus tem graves implicações, pois nos torna responsáveis pelos nossos atos.

A liberdade que nós cristãos temos, nem Deus na sua onipotência nos tirará, nem Jesus no seu ato redentor nos tirou. Ele nos abriu a porta e quebrou os grilhões, mas sair depende de nós.

Que sejamos livres para servir.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.