Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“Estar em isolamento social não significa isolamento de Deus”

Como você tem vivido esse tempo de quarentena? O isolamento social tem causado quais impactos em seu dia-dia? Fato é que todos nós somos afetados de alguma forma por essa realidade. Prova disso, na dimensão religiosa,  é a diferença com que viveremos a celebração do Tríduo pascal neste ano uma vez que não poderemos ir às Igrejas. Porém o fato de não ir à Igreja e estar em isolamento social não significa isolamento de Deus. Aliás foi justamente para que o homem não viva isolado de Deus que Jesus submeteu-se a uma solidão dolorosa.

Para adentrar nesse mistério da solidão de Jesus olhemos para o início do Tríduo Pascal: ele se inicia com a missa vespertina “in Cena Domini”, missa da ceia do Senhor. Nesta liturgia celebramos a instituição do sacerdócio e a oferta total que Cristo fez de Si na Eucaristia. Na riqueza de tudo que se celebra na quinta feira Santa gostaria de chamar atenção para o fato de que este dia encerra-se com a Adoração Eucarística, em recordação da agonia do Senhor no Getsêmani que foi o momento  do abandono e da solidão de Jesus¹ (cf. Mt 26,36-46) . 

A consequência do pecado é o distanciamento de Deus

“Levando Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. Disse-lhes, então: minha alma está triste até a morte. Permanecei aqui e vigiai comigo” (Mt 26,38).  No Getsêmani percebemos em Jesus um homem angustiado que busca companhia e por isso ele levou Pedro, Tiago e João mas o sono dos três íntimos amigos o faz sentir ainda mais solidão (cf. Mt 26,40). Por que essa solidão de Jesus foi tão dolorosa ao ponto do evangelista Lucas detalhar que seu suor “se tornou semelhante a espessas gotas de sangue” (Lc 22,43)?  O motivo de tamanha angústia se dá pelo fato que em sua paixão Jesus assumia os pecados da humanidade e a consequência do pecado é o distanciamento de Deus. Sobre isso Raniero Cantalamessa diz: 

Os gestos de Jesus no horto são de um homem sobressalto de uma angústia mortal: “ajoelhou-se”; “caiu por terra de bruços”; “levantou-se para ir aos seus”; “voltou para orar”[…]. Essa angústia não foi causada pela simples previsão dos tormentos iminentes […]. O tormento de Jesus mostra-se causado por dois fatos entre si interdependentes: a proximidade do pecado e a distância de Deus[…]. Tal proximidade do pecado provoca como consequência o distanciamento de Deus ou mais precisamente o afastar-se de Deus; o vê-lo ir-se embora, desaparecer e não mais responder. O grito Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? (Mt 27,46) Jesus o trazia no coração desde o Getsêmani². 

Em sua solidão Jesus assumiu nossa solidão

Dessa forma a solidão de Jesus no mostra o peso da pior das solidões que é a solidão de Deus causada pelo pecado. Mais que isso, em sua solidão Jesus assumiu nossa solidão ao ponto de sentir o abandono de Deus e bradar na cruz “meu Deus, meu Deus, por que Me abandonastes” (Mt 27,46; Mc 15,34). Assim, nesse brado Jesus “leva perante o coração do próprio Deus o brado de angústia do mundo atormentado pela ausência de Deus”³. Portanto a você que vive a solidão da quarentena fica o belo ensinamento que a solidão de Jesus no Getsêmani e na cruz nos dá: nesse tempo de quarentena isolamento social sim; mas de Deus nunca!

Wilker Henrique Costa/Canção Nova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.