Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Filhos e filhas,

Começo louvando e agradecendo a Deus pelo IX Retiro Nacional. Certamente, muitas libertações aconteceram e com certeza ainda veremos os frutos do evento. Agradeço a todos que fizeram uma prece para que tudo ocorresse da melhor forma. Que Deus os recompense.

Já estamos na 3ª Semana da Quaresma. Sempre é bom lembrar, pois em plena Pandemia, muitos estão fisicamente longe da comunidade e, às vezes, é um pouco complicado viver plenamente esse tempo de perdão e misericórdia.

Devemos lembrar que somos constantemente perdoados por Deus, pois Ele nos amou primeiro. E, porque somos perdoados e amados por Deus, devemos também perdoar. Mas qual a medida do perdão?

Pedro chega para Jesus e faz essa pergunta: Senhor, quantas vezes devo perdoar? (cf. Mt 18,21). E é impressionante que Pedro faz a pergunta e nem espera, ele mesmo sugere: “Até sete vezes?” (Mt 18,19,21). Como ele foi afobado, sua resposta mostrou que ele não compreendeu o mestre e por isso Jesus disse: “Oh! Pedro! Não sete, mas setenta vezes sete, isto é, sempre!” (cf. Mt 18,22).

É impressionante perceber isso, porque se trata de perdoar muitas vezes a mesma pessoa nos mesmos erros ou nos mesmos equívocos. Isso significa tolerância, isso significa misericórdia. Mas, exige força de vontade e empenho, porque geralmente se trata de pessoas mais próximas.

Primeiramente, porque as atitudes de terceiros não nos causam tanto sofrimento e decepção quanto aquelas de quem queremos bem e, por essa razão, não esperamos receber tratamento hostil ou deliberadamente prejudicial. Em segundo lugar, porque, muitas vezes o perdão exige reconstruir a confiança, a convivência e o próprio relacionamento.

Porém, sem querer ser egoísta ou estimular o egoísmo, ao perdoar não devemos nos preocupar se o outro vai mudar. Não devemos nos preocupar com os efeitos que o nosso perdão vai causar, se vai trazer a pessoa de volta, se vai restaurar a amizade ou se ela também vai nos perdoar.

A reconciliação é uma consequência do perdão que nem sempre acontece. Se o amor para ser vivido precisa ser recíproco, o perdão pode ser unilateral. Não significa que o outro tenha que nos perdoar, significa que nós vamos perdoar, é diferente. O perdão deve ser algo gratuito, unilateral. Não se deve estabelecer condições para o perdão. Deus não age assim conosco, pois por mais egoístas, miseráveis e pecadores que sejamos, Ele nos perdoará sempre.

Somente perdoa quem entendeu o valor do perdão recebido de Deus. Quanto mais uma pessoa vive a experiência desse amor e perdão, maior é a sua capacidade de perdoar.

O perdão cura, liberta e propicia crescimento pessoal e espiritual.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.