Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Filhos e filhas,

Já nos aproximamos do 4º Domingo do Advento. Estamos quase às portas do Natal e somos convidados a acolher Aquele que vem ao nosso encontro. O Senhor está à porta e bate!

Sempre é bom lembrarmos que Jesus não nos força a nada, não arromba nossos corações, mas quando damos pelo menos uma brechinha, Ele entra lentamente em nossas vidas, realiza maravilhas e quando percebemos já não conseguiremos viver sem Ele. Todo nosso ser é tomado por Ele e essa experiência do Seu amor e de Sua presença em nós pode nos levar à mudança.

Com a encarnação de Deus, aprendemos a enxergar as coisas e as pessoas com o olhar semelhante ao Dele e vamos descobrindo o verdadeiro sentido da nossa vida. Só encontramos nossa felicidade, nossa vida plena em Jesus Cristo, não adianta buscar em outro lugar ou pessoa. Santo Agostinho compreendeu isto e lamentava: “Tarde Te amei... Eu poderia ter encontrado esta felicidade antes”.

O grande mistério de Deus, que assume a forma de uma criança, é nos dizer que Ele não errou quando nos criou. Que por mais que o ser humano seja capaz de grandes crueldades como: matar, destruir, extorquir o próprio irmão e se transformar num monstro; Deus se tornou um de nós para dizer: “Eu os criei certos”. E nós somos chamados a olhar para a nossa humanidade e nos perguntarmos: “O que eu me tornei?”. Somos convidados a fazermos uma reflexão: Nós estamos mais humanos, mais movidos pela compaixão, voltados para o sofrimento, para a tolerância ou ao contrário? Estamos nos tornando cada vez mais desumanos, distantes e indiferentes?

O Natal está muito ligado ao final do ano, dentro dessa magia: o fim e o recomeço. Muitos não entendem que Deus se faz mostrar, no que chamamos de magia de Natal. O ser humano fica mais frágil, com mais saudade. Lembramos mais daqueles que já morreram, ficamos mais fracos, ficamos sensitivos e isso porque Deus toma uma iniciativa. Ele faz uma curvatura no céu e desce a Terra e pelo fato de Deus realmente descer no Natal, Ele consegue fazer algo que não conseguimos: amolecer nosso coração.

Se há magia, é a magia de Deus, que no tempo do Natal nos melhora, porque Deus nos torna mais humanos. Por isso, o tempo de Natal é o tempo de revermos o que realmente é importante para nós. Um bom exercício é nos perguntarmos com quem poderemos contar se algo nos acontecer. Enumeremos cinco pessoas e depois nos perguntemos se estamos tratando bem essas pessoas que vão cuidar, zelar e nos acompanhar até o fim. Temos expressado amor, ternura, compaixão ou são os que mais sofrem?

Natal é o momento de termos coragem de olhar para nossa história e não querermos continuar da mesma forma. A impressão que tenho, pelas partilhas que recebo, é que todos nós temos o nosso lixo. Se deixarmos o lixo dentro de casa, ele cheira mal, apodrece. E a impressão que se tem é que tomamos banho, colocamos perfumes, roupas limpas, mas sempre estamos com o nosso lixo de frustrações, mágoas, ressentimentos, traumas... E ao invés de fazermos o que se faz com lixo, mandar embora, nós desfilamos pelas ruas, passamos uma vida agarrados com aquele saco de lixo, fermentando, azedando, estragando.

Será que não é hora de fecharmos esse ciclo e dizer: “Jesus, eu deixo este fardo. Isso é um lixo em minha vida, eu não quero carregar?”. Se não podemos mudar o nosso ontem, podemos construir nosso amanhã.

Que possamos viver intensamente essa preparação para termos um santo e feliz Natal.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios