Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Filhos e filhas,

Já nos aproximamos do 4º Domingo do Advento. Estamos quase às portas do Natal e somos convidados a acolher Aquele que vem ao nosso encontro. O Senhor está à porta e bate!

Sempre é bom lembrarmos que Jesus não nos força a nada, não arromba nossos corações, mas quando damos pelo menos uma brechinha, Ele entra lentamente em nossas vidas, realiza maravilhas e quando percebemos já não conseguiremos viver sem Ele. Todo nosso ser é tomado por Ele e essa experiência do Seu amor e de Sua presença em nós pode nos levar à mudança.

Com a encarnação de Deus, aprendemos a enxergar as coisas e as pessoas com o olhar semelhante ao Dele e vamos descobrindo o verdadeiro sentido da nossa vida. Só encontramos nossa felicidade, nossa vida plena em Jesus Cristo, não adianta buscar em outro lugar ou pessoa. Santo Agostinho compreendeu isto e lamentava: “Tarde Te amei... Eu poderia ter encontrado esta felicidade antes”.

O grande mistério de Deus, que assume a forma de uma criança, é nos dizer que Ele não errou quando nos criou. Que por mais que o ser humano seja capaz de grandes crueldades como: matar, destruir, extorquir o próprio irmão e se transformar num monstro; Deus se tornou um de nós para dizer: “Eu os criei certos”. E nós somos chamados a olhar para a nossa humanidade e nos perguntarmos: “O que eu me tornei?”. Somos convidados a fazermos uma reflexão: Nós estamos mais humanos, mais movidos pela compaixão, voltados para o sofrimento, para a tolerância ou ao contrário? Estamos nos tornando cada vez mais desumanos, distantes e indiferentes?

O Natal está muito ligado ao final do ano, dentro dessa magia: o fim e o recomeço. Muitos não entendem que Deus se faz mostrar, no que chamamos de magia de Natal. O ser humano fica mais frágil, com mais saudade. Lembramos mais daqueles que já morreram, ficamos mais fracos, ficamos sensitivos e isso porque Deus toma uma iniciativa. Ele faz uma curvatura no céu e desce a Terra e pelo fato de Deus realmente descer no Natal, Ele consegue fazer algo que não conseguimos: amolecer nosso coração.

Se há magia, é a magia de Deus, que no tempo do Natal nos melhora, porque Deus nos torna mais humanos. Por isso, o tempo de Natal é o tempo de revermos o que realmente é importante para nós. Um bom exercício é nos perguntarmos com quem poderemos contar se algo nos acontecer. Enumeremos cinco pessoas e depois nos perguntemos se estamos tratando bem essas pessoas que vão cuidar, zelar e nos acompanhar até o fim. Temos expressado amor, ternura, compaixão ou são os que mais sofrem?

Natal é o momento de termos coragem de olhar para nossa história e não querermos continuar da mesma forma. A impressão que tenho, pelas partilhas que recebo, é que todos nós temos o nosso lixo. Se deixarmos o lixo dentro de casa, ele cheira mal, apodrece. E a impressão que se tem é que tomamos banho, colocamos perfumes, roupas limpas, mas sempre estamos com o nosso lixo de frustrações, mágoas, ressentimentos, traumas... E ao invés de fazermos o que se faz com lixo, mandar embora, nós desfilamos pelas ruas, passamos uma vida agarrados com aquele saco de lixo, fermentando, azedando, estragando.

Será que não é hora de fecharmos esse ciclo e dizer: “Jesus, eu deixo este fardo. Isso é um lixo em minha vida, eu não quero carregar?”. Se não podemos mudar o nosso ontem, podemos construir nosso amanhã.

Que possamos viver intensamente essa preparação para termos um santo e feliz Natal.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.