Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Filhos e filhas,

Celebrar São Sebastião nos dias de hoje, enquanto vivemos uma pandemia, uma peste, significa que devemos aprender com o santo a superar as dificuldades, nunca desanimar, sempre levantar e continuar o trabalho.

São Sebastião nasceu na França e logo foi com os pais para Milão, na Itália. Nas terras italianas, cresceu na fé cristã e ficou famoso como valente soldado e capitão da guarda do imperador Romano. Os cristãos eram perseguidos na época e muitos foram presos e martirizados, porém São Sebastião conseguiu ajudar muitos irmãos presos por seguirem o Cristo, dando alimento e animando-os a perseverarem na fé em Deus.

Sebastião foi denunciado por um soldado e o imperador Diocleciano sentiu-se traído e tentou, em vão, fazer com que ele renunciasse ao cristianismo, mas Sebastião com firmeza se defendeu, apresentando os motivos que o animava a seguir a fé cristã e a socorrer os aflitos e perseguidos.

O imperador, enraivecido ante os sólidos argumentos daquele cristão autêntico e decidido, deu ordem aos seus soldados para que o matassem a flechadas. Tal ordem foi imediatamente cumprida: num descampado, os soldados despiram-no, amarraram-no a um tronco de árvore e atiraram nele uma chuva de flechas. Depois o abandonaram para que sangrasse até a morte.

Irene, mulher do mártir Castulo, foi com algumas amigas ao lugar da execução para tirar o corpo de Sebastião e dar-lhe sepultura. Com assombro, comprovaram que o mesmo ainda estava vivo. Desamarraram-no, e Irene o escondeu em sua casa, cuidando de suas feridas. Passado um tempo, já restabelecido, São Sebastião quis continuar seu processo de evangelização e, em vez de se esconder, apresentou-se de novo ao imperador, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos, acusados de inimigos do Estado.

Diocleciano ordenou que ele fosse espancado até a morte, com pauladas e golpes de bolas de chumbo. E para impedir que o corpo fosse venerado pelos cristãos, jogaram-no no esgoto público de Roma. Uma piedosa mulher, Santa Luciana, sepultou-o nas catacumbas, no ano de 287. Mais tarde, no ano de 680, suas relíquias foram solenemente transportadas para uma basílica construída nas catacumbas pelo Imperador Constantino, onde se encontram até hoje.

São Sebastião é um exemplo de coragem ante os obstáculos da vida e fidelidade mesmo diante das contrariedades e perseguições. Que ele interceda junto a Jesus para que sejamos cada vez mais autênticos em nossa fé.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios