Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ontem, 6, o Papa Francisco celebrou a figura e a obra de João Batista, que mostrou um itinerário de fé, semelhante ao que o Advento propõe. Trata-se de um caminho de conversão.

Francisco explicou, antes de tudo, o que é conversão: “Na Bíblia, significa primeiro mudar a direção e a orientação; e depois também mudar a maneira de pensar. Na vida moral e espiritual, converter meios de passar do mal ao bem, do pecado ao amor de Deus”

A conversão, explicou o Papa, envolve a dor pelos pecados cometidos, o desejo de se livrar deles, o propósito de excluí-los da própria vida para sempre. “Para excluir o pecado, é preciso também rejeitar tudo o que está ligado a ele: a mentalidade mundana, a superestimação do conforto, do prazer, do bem-estar, das riquezas”.

Aspectos da conversão

Para exemplificar, o Santo Padre citou novamente João Batista que era um homem austero, que renunciava ao supérfluo e buscava o essencial. O Pontífice comentou então o primeiro aspecto da conversão: desapego ao pecado e à mundanização. Em seguida citou o outro aspecto: é a busca de Deus e de seu reino.

“O abandono do conforto e da mentalidade mundana não é por si só um objetivo, mas visa alcançar algo maior, ou seja, o reino de Deus, a comunhão com Deus, a amizade com Deus”, comentou. O Papa lembrou, no entanto, que isso não é fácil porque há tantos laços que mantêm homens e mulheres próximos ao pecado: volubilidade, desânimo, malícia, ambientes nocivos, maus exemplos.

Segundo Francisco, às vezes o impulso sentido para com o Senhor é muito fraco e parece quase como se Deus silenciasse. O Santo Padre advertiu o perigo nesta situação: “se é tentado a dizer que é impossível se converter verdadeiramente, e em vez de se converter do mundo para Deus, corre-se o risco de permanecer na ‘areia movediça’ de uma existência medíocre”.

O que pode ser feito

“Antes de tudo lembremo-nos de que a conversão é uma graça, portanto, deve ser pedida a Deus com força”, frisou o Papa. De acordo com Francisco, só se converte verdadeiramente quem se abre à beleza, à bondade, à ternura de Deus. “Então deixamos o que é falso e efêmero, para o que é verdadeiro, belo e dura para sempre”.

Por fim o Pontífice concluiu recordando a próxima celebração de Maria Imaculada invocando sua ajuda para que homens e mulheres se desapeguem cada vez mais do pecado e da mundanização, para se abrirem a Deus, à Sua palavra, ao Seu amor que regenera e salva.

Canção Nova/ com Vatican News

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.