Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Carnaval está prestes a ser celebrado e, neste ano de 2021, será um pouco diferente do que de costume. Afinal, muitas festas e celebrações Brasil afora foram cancelados e os foliões terão de se contentar em ficar em casa, guardando os protocolos contra o coronavírus. Mas, o que esses festejos seculares têm a ver com a Igreja Católica? Simples: no início, quando surgiram, eram uma celebração cristã.

 “Séculos atrás, os festejos pagãos foram condensados nos dias que antecedem a Quaresma, um tempo cristão de muitas orações e reflexões. Então, a Igreja estipulou a data anterior ao tempo quaresmal para marcar a separação entre os dias de festa e os dias de oração e religiosidade”, ressalta o padre Rodolfo Tristlz, pároco do Santuário de Nossa Senhora Aparecida, na Vila Nova em Londrina. Neste ano, a Quaresma tem início no dia 17 de fevereiro, dia em que a Igreja celebra a Quarta-feira de Cinzas.

Significado

Dessa forma, os cristãos tinham alguns dias antes da Quaresma para extravasar os festejos, porque pelos próximos 40 dias guardariam um tempo para orações, jejuns e penitências. “Recordamos nesse período o tempo em que Jesus Cristo passou no deserto, sendo tentado pelo demônio. Por isso, não é momento de festividades, mas, de sobriedade e orações”, afirma o padre Rodolfo. A Quaresma inicia na Quarta-feira de Cinzas e vai até a Quinta-feira da Semana Santa, que antecede a Sexta-feira da Paixão e a Páscoa. O número 40, na realidade, significa e simboliza o tempo necessário que o cristão tem para se preparar para algo. No caso, a ressureição de Cristo.

 “A Quaresma é o tempo da mudança, de se preparar para Cristo, que ressuscita e está vivo entre nós. Por isso, sempre orientamos as pessoas a praticarem orações, jejuns e penitências, além de obras de caridade, como forma de preparação. São o que chamamos de práticas devocionais. Alguns deixam de comer algum tipo de alimento, outros fazem doações a instituições”, conta o sacerdote.

Campanha da Fraternidade 2021

Todo ano, durante o período quaresmal, a Igreja no Brasil realiza a Campanha da Fraternidade (CF), desta vez ecumênica com o tema Fraternidade e diálogo: compromisso de amor e o lema Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade (Ef. 2, 14ª). Além da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), participa também o Conselho Nacional de Igrejas Irmãs do Brasil (Conic), do qual a CNBB faz parte, assim como outras denominações: Aliança de Batistas do Brasil, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Presbiteriana Unida e Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia.

Fábio Luporini/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.