Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Quem não se impressiona com a manifestação do amor dedicado de uma mãe ao cuidar de um filho doente, acamado, necessitado de consolo e amparo? Mesmo que a mãe, pela medicina, possa fazer muito pouco para a recuperação da saúde física do filho, ela se coloca ao lado dele sem medir esforços na tentativa de vê-lo recuperado, totalmente são e salvo. Em muitos casos, parece que, quanto mais grave for a doença do filho, mais a mãe se torna solícita em atenções de afeto, de presença, sem se preocupar consigo mesma, com o próprio descanso, a própria saúde. Sem dúvida, uma chama de esperança a encoraja, tornando-a crédula na cura do filho.

Sabemos que a esperança não decepciona, de modo que, entre lágrimas e preces a Deus, em determinado momento, chega a feliz notícia de que o filho se recuperou, pois, aquela grave doença foi superada. No entanto, em outros casos, aquela apreensão de não poder fazer muita coisa para curar o filho dá lugar à tristeza da perda. O quadro clínico do filho era bem grave e, inesperadamente, a mãe recebe a dilacerante notícia: “Fizemos de tudo, mamãe, mas seu filho, sua filha, não resistiu”.

Fatos assim dolorosos e outros alegremente confortantes me levaram a contemplar o mistério da dor e, ao mesmo tempo, da esperança da Virgem Maria, por ocasião da morte de seu filho Jesus, mistério este que a Igreja também celebra anualmente no dia 15 de setembro, na memória de Nossa Senhora das Dores, um dia após a celebração da festa da Exaltação da Santa Cruz. Como vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias, cultivo a devoção à Virgem das Dores através da imagem de Nossa Senhora da Pietà, que fica ao lado do presbitério do Santuário. Uma imagem que representa o gesto materno da Virgem Maria, que acolhe em seus braços Jesus morto, em estreita comunhão com o mistério redentor de Cristo.

O texto do Evangelho, que a memória litúrgica de Nossa Senhora das Dores nos oferece, narra o momento no qual Jesus já está crucificado (cf. João 19,25-27). Por sua vez, Maria estava de pé, perto da cruz de Jesus com outras mulheres e o discípulo amado. Apesar de sua dilacerante dor por causa do sofrimento de Jesus, Maria ali estava, certamente, motivada pela fé na ressurreição do Senhor, que por algumas vezes o próprio Jesus havia anunciado. Eis o segredo da Mãe Dolorosa: fé na ressurreição de Cristo; e dessa graça decorre uma força que sustenta Maria naquele momento de sofrimento, onde “uma espada traspassou sua alma” (cf. Lucas 2, 34-35).

Na cruz, Jesus oferta o discípulo amado à Maria: “Este é o teu filho”; por sua vez, ele também oferta Maria ao discípulo amado: “Esta é a tua mãe”. Nesse mútuo e divino ofertório, Maria recebe a missão de expandir o dom de sua maternidade espiritual a todos aqueles que, pela fé, são discípulos de Cristo, principalmente, os sofredores. Ninguém escapa à solicitude da Mãe do Senhor, pois, em sua materna intercessão, temos a certeza que junto aos crucificados do mundo, aos sofredores e necessitados, sempre encontraremos a Virgem Maria, firme na fé, encorajando-nos à esperança, pois ela se manteve firme na fé e sabe muito bem que para Deus nada é impossível.

Aprendamos com a Mãe das Dores a enfrentar os sofrimentos da vida, a partir de gestos concretos de misericórdia com os que sofrem, e assim o bálsamo do amor de Deus despertará nos corações a esperança na vitória da vida sobre a morte.

Padre Wagner Ferreira da Silva é missionário da Comunidade Canção Nova e vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.