Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Filhos e filhas,

Amanhã celebramos a festa litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes que pelas características da aparição é invocada pelos doentes e enfermos. Foi São João Paulo II, em 1992, que instituiu o dia 11 de fevereiro como o Dia Mundial do Enfermo e todos os anos e cada Pontífice envia uma mensagem em referência a data.

Nossa Senhora, com sua veste branca cingida com um modesto cinto azul, nas suas 18 aparições à jovem Bernadete, não fez menção ao fato de que ali seriam realizados milhares de curas, como ocorre até hoje, além de enfatizar a necessidade de rezar pela conversão dos pecadores e de orar sempre. Por isso, invariavelmente, a jovem trazia o Santo Rosário no braço.

Acredito piamente na ocorrência das aparições e dos pedidos verbalizados por Nossa Senhora a Bernadete naquela gruta, hoje um dos maiores santuários do mundo. Aquilo que a ciência não explica e chamamos de milagre consegue tocar até mesmo os corações mais incrédulos e soberbos. Há mais de um século, um simples olho d’água é a lembrança permanente do que Jesus disse: “Eu sou a água viva, se alguém tiver sede, venha a mim e beba” (Jo 7,37-38).

Mais de um século após as aparições, o Papa João Paulo II em sua Peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, no Dia do enfermo, disse:

“Desde o dia da aparição a Bernadete, Maria naquele lugar curou dores e doenças, restituindo a muitos dos seus filhos também a saúde do corpo. Contudo, ela realizou prodígios muito mais surpreendentes na alma dos crentes, abrindo o seu coração ao encontro com o seu filho Jesus, resposta verdadeira às expectativas mais profundas do coração humano. O Espírito Santo, que a encobriu com a sua sombra no momento da Encarnação do Verbo, transforma a alma de numerosos doentes que a ela recorrem. Mesmo quando não obtêm o dom da saúde corporal, podem sempre receber outro muito mais importante: a conversão do coração, fonte de paz e de alegria interior. Este dom transforma a sua existência e faz deles apóstolos da cruz de Cristo, estandarte de esperança, mesmo entre as provas mais duras e difíceis”.

A conversão ocorre na ausência de explicação lógica para o milagre recebido, pois contra fatos não há argumentos.

Sabemos que nem todos os que vão até a gruta voltarão para casa com o milagre confirmado, mas jamais esqueçamos que não se trata apenas da cura das doenças do corpo, como também de muitos males da alma. São curas que provêm da Mãe, visando à salvação do rebanho de seu Filho Jesus.

Que neste ano de 2021, peçamos que Nossa Senhora de Lourdes interceda pelo mundo todo, pelos que lutam contra a COVID-19 em todas as frentes de trabalho e, principalmente, pelos infectados que tenham a plena recuperação.

Deus abençoe,

Padre Reginaldo Manzotti

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.