Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em sua oração mariana dominical, o Sucessor de Pedro falou ainda sobre a marginalização dos mais necessitados

Em sua alocução antes de rezar o Angelus, neste V Domingo da Quaresma, Papa Francisco refletiu sobre o Evangelho do dia, que narra a ressurreição de Lázaro:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste quinto domingo de Quaresma é o da ressurreição de Lázaro. Lázaro era irmão de Marta e Maria; eram muito amigos de Jesus. Quando Ele chegou em Betânia, Lázaro já tinha morrido há quatro dias; Marta correu ao encontro do Mestre e lhe disse: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido!” Jesus respondeu: “Teu irmão ressuscitará”, e acrescentou: “Eu sei que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia”. Jesus se mostra como o Senhor da vida, Aquele que é capaz de restituir a vida também aos mortos.

Depois chegaram Maria e outras pessoas, todos em lágrimas, e então Jesus – diz o Evangelho – “estremeceu interiormente e […] chorou”. Comovido, foi ao túmulo, agradeceu ao Pai, que sempre o escuta, mandou abrir o sepulcro e exclamou com voz forte: “Lázaro, vem para fora!”. E Lázaro sai com “as mãos e os pés atados com lençóis mortuários e o rosto coberto com um pano”.

Aqui, tocamos com a mão que Deus é vida e doa vida, mas assume o drama da morte. Jesus poderia ter evitado a morte do amigo Lázaro, mas quis assumir para si a nossa dor pela morte das pessoas queridas, e, sobretudo, quis mostrar o domínio de Deus sobre a morte.

Nessa passagem do Evangelho, vemos que a fé do homem e a onipotência de Deus, do amor de Deus, buscam-se e por fim se encontram. É como um duplo caminho: a fé do homem e a onipotência do amor de Deus que se procuram e no final se encontram. Vemos isso no grito de Marta e Maria e de todos nós com eles: “Se tivesses estado aqui!…”.
E a resposta de Deus não é um discurso. Não! A resposta de Deus ao problema da morte é Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida… Tenham fé! Em meio ao choro, continuem a ter fé, ainda que pareça que a morte tenha vencido. Removam a pedra de seus corações! Deixai que a Palavra de Deus leve de novo a vida onde há morte”.

Também hoje Jesus nos repete: “Removam pedra”. Deus não nos criou para o túmulo, Ele nos criou para a vida, bela, boa, alegre. Mas “foi por inveja do diabo que a morte entrou no mundo” (Sb 2, 24), diz o Livro da Sabedoria, e Jesus Cristo veio nos libertar de seus laços.

Somos, portanto, chamados a remover as pedras de tudo aquilo que fala de morte. Por exemplo: a hipocrisia com que a fé é vivida é morte; a crítica destrutiva contra os outros é morte; a ofensa, a calúnia são mortes; a marginalização do pobre é morte. O Senhor nos pede para removermos essas pedras do coração, e a vida, então, voltará a florescer ao nosso redor. Cristo vive, e quem o acolhe e se une a Ele entra em contato com a vida. Sem Cristo ou fora de Cristo a vida não só não está presente, mas se recai na morte.

A ressurreição de Lázaro também é sinal da regeneração que se realiza no crente mediante o batismo, com a plena inserção no Mistério Pascal de Cristo. Pela ação e a força do Espírito Santo, o cristão é uma pessoa que caminha na vida como uma nova criatura: uma criatura para a vida, e que vai em direção à vida.

Que a Virgem Maria nos ajude a sermos compassivos como o seu Filho Jesus, que fez Sua a nossa dor.
Que cada um de nós seja próximo daqueles que estão sofrendo, tornando-se para eles um reflexo do amor e da ternura de Deus, que liberta da morte e faz vencer a vida.

Canção Nova/com Vatican News

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.