Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Religião 21/03/2016  08h25

Por que ler a Bíblia?

O objetivo desta meditação é apresentar algumas das motivações que o próprio Deus nos dá para conhecer a sua palavra.

Moisés foi quem primeiro redigiu os escritos sagrados. Por meio dele o povo de Israel saiu do Egito e foi conduzido no deserto durante um longo tempo. No deserto Deus fez aliança com o povo, entregou os seus mandamentos e realizou muitas obras. A ação de Deus e a sua palavra proferida nesse tempo foram escritas. A respeito desses escritos Deus disse a Josué, sucessor de Moisés, antes de conduzir os israelitas na posse da terra prometida:

Sê forte e corajoso, pois farás este povo herdar a terra que jurei dar a seus pais. Sim, sê forte e muito corajoso, e cuida de agir segundo toda a lei que Moisés, meu servo, te prescreveu. Não te desvies nem para a direita, nem para a esquerda, a fim de que tenhas êxito por onde quer que andes. Não cesses de falar deste livro da Lei. Medita nele dia e noite, para que procures agir de acordo com tudo o que nele está escrito. Assim farás prosperar teus caminhos e serás bem sucedido (Josué 1,6-9).

Podem-se ordenar as ordens dadas a Josué da seguinte maneira: primeiramente, ele deve assumir com força e coragem suas responsabilidades. Segundo, ele deve agir segundo a lei que Moisés prescreveu fielmente. Terceiro, ele deve não somente testemunhar, mas também, anunciar a palavra escrita na Lei. Por último, ele deve meditar dia e noite seu conteúdo para poder conseguir agir segundo a vontade de Deus.

Seguindo a vontade de Deus, Josué terá uma recompensa. Deus lhe prometeu que fará prosperar o seu caminho e ele será bem sucedido, ou seja, terá êxito em tudo que fizer.

A meditação da palavra de Deus é importante para termos presente a vontade de Deus, e assim, podermos cumpri-la. O verdadeiro vitorioso é aquele que cumpre a palavra de Deus, pois encontrará realização em tudo o que faz. Aquele que busca fazer a vontade de Deus percebe concretamente sua presença nos acontecimentos. Derrotas são transformadas em vitórias, frustrações são transformadas em consolo, a pessoa sem perceber começa a se destacar em tudo o que faz, ou seja, em seus estudos, trabalho, em sua ação evangelizadora, etc.

O salmista proclamou a promessa da felicidade que se realiza em todo aquele que vive e medita a palavra de Deus:

Feliz quem não segue o conselho dos maus, não anda pelo caminho dos pecadores, nem toma parte nas reuniões dos zombadores, mas na lei do Senhor encontra sua alegria e nela medita dia e noite. Ele será como uma árvore plantada à beira de um riacho, que dá fruto no devido tempo; suas folhas nunca murcham; e em tudo quanto faz sempre têm êxito (Sl 1,1-3).

É feliz quem encontra sua alegria no cumprir os mandamentos de Deus e medita em sua palavra dia e noite. O salmista explica o motivo. Ele apresenta as promessas que se cumprem naquele que vive e medita a lei do Senhor: nele se cumprirá a promessa da fecundidade, ou seja, colherá frutos no tempo certo; a segunda promessa é o do vigor para viver, nele haverá vida em abundância. Jesus reforçou essa promessa: “Quem crê em mim do seu interior correrão rios de água viva” (Jo 7,38).

Por que Jesus disse isso? João, um dos doze apóstolos escolhidos por Jesus, disse:

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus. Ela existia, no princípio, junto de Deus. Tudo foi feito por meio dela, e sem ela nada foi feito de tudo o que existe. Nela estava a vida e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la (Jo 1,1-4).

Meditar na Palavra é conhecer Jesus, é estar ligado a ele, é ter um contato direto com ele. O contato direto com a Palavra tem um efeito sensível: a luz brilha nas trevas, ou seja, quem está ligado à Palavra não será dominado pelo maligno.

Jesus foi tentado pelo diabo no deserto durante quarenta dias (cf. Lc 4,1-13), se você reparar nas respostas dele ao demônio verá que ele respondia recitando versículos bíblicos. Jesus era impregnado da Palavra de Deus, pois ele é a própria Palavra de Deus.

Tive a graça de acompanhar durante longo tempo um jovem que foi liberto de uma legião de demônios. Padre Rufus, presidente da associação internacional de exorcistas, foi quem exorcizou esse jovem. O sacerdote voltou para a Índia, mas disse ao jovem que sua libertação se encerraria se ele ao menos durante um ano lê-se a palavra de Deus todos os dias. O jovem obedeceu. Ele testemunhava nos atendimentos que todos os dias experimentava a libertação a medida que lia a palavra, ele travava grandes combates físicos, mas seguiu a orientação do sacerdote. No final de um ano, percebemos o término de sua libertação e ele estava inclusive com um semblante mais alegre e radiante.

São Jerônimo, o homem quem traduziu as escrituras do hebraico e grego para o latim, afirmou que “ignorar as Sagradas Escrituras é ignorar o próprio Cristo”. Jesus é a luz do mundo, ele é o que disse o apóstolo “a Palavra que se fez carne e habitou entre nós” (cf. Jo 1,14). Investir tempo em conhecer a Palavra de Deus é investir tempo no conhecimento de Jesus. Quem o conhece não anda nas trevas. O salmista proclamou: “dos teus preceitos recebo inteligência, por isso odeio todo caminho falso. Lâmpada para meus passos é a tua palavra e luz no meu caminho” (Sl 119,104-105).

Por meio da Palavra podemos nos conhecer, sermos curados psicologicamente e fisicamente, encontrar soluções para nossas crises interiores, nos organizar interiormente e em todas as áreas de nossa vida. Enfim, como disse o apóstolo Paulo sobre as Escrituras:

Ela têm o poder de te comunicar a sabedoria que conduz à salvação pela fé no Cristo Jesus. Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça. Assim, a pessoa que é de Deus estará capacitada e bem preparada para toda boa obra (2 Tm 3,15-17).

Por fim, quem medita na Palavra alcançará a sabedoria necessária para a salvação, o objetivo máximo da vida daquele que deseja ser feliz não somente nesta vida, mas por toda eternidade. Por meio dela, o cristão é capaz de ser testemunha da glória de Deus que acompanha aqueles que creem.

Prof. Leandro César - Teólogo formado pelo STJ, Jerusalém – Israel, Mestre em Teologia Bíblica pela FAJE, Belo Horizonte, Brasil.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios