Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Uma das iniciativas selecionadas no Edital de Inovação para a Indústria usa raios ultravioletas para evitar propagação do vírus no transporte público

Lançado em março pelo SENAI, o Edital de Inovação para a Indústria já selecionou 15 projetos na busca de soluções, de aplicação imediata, que ajudem a prevenir, diagnosticar e tratar a covid-19 no país. Na primeira chamada, foram escolhidos seis projetos. Este mês, na segunda etapa, mais nove iniciativas receberam aportes para conter a pandemia. Ao todo, R$ 30 milhões serão investidos pelo SENAI, pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

O empresário Felipe Almeida desenvolve um projeto que pode evitar a disseminação do vírus no transporte público a partir do uso de raios ultravioletas. A ideia, segundo ele, é oferecer um sistema móvel de desinfecção com tecnologia UV-C para esterilizar ambientes em que há aglomeração em ônibus ou trens, por exemplo.

“A maior vantagem desse sistema é que dispensa o uso de produtos químicos. Além disso, a limpeza é feita de forma muito mais rápida e eficiente, esterilizando cada ponto do espaço, incluindo os locais onde as pessoas pegam, como as cadeiras e o chão”, detalha.

“O edital, para a gente, foi essencial para viabilizar esse projeto. De outra forma, sem o apoio da equipe do SENAI, a gente teria dificuldade de desenvolver esse produto, fazer a parte de detalhamento, documentação, aprovação dos órgãos competentes e colocá-lo no mercado”, completa Almeida.

Projeto desenvolvido pela empresa Sii Indústria de Tecnologia. Foto: divulgação

Outro projeto que vai receber apoio do SENAI é um monitor de capnografia autônomo e de baixo custo para monitorar pacientes com covid-19. O equipamento mede o gás carbônico liberado pela respiração do paciente, podendo detectar quando os pulmões têm dificuldade para fazer as trocas gasosas.

O gerente-executivo de Inovação do SENAI, Marcelo Prim, salienta que essas e outras iniciativas fazem parte de um esforço conjunto do setor industrial para reduzir os impactos do desabastecimento e da falta de insumos na saúde pública.

“Estamos trabalhando na linha de diagnóstico e testes rápidos. A gente sabe que 80% dos pacientes têm sintomas leves ou são assintomáticos. E a gente sabe que 4/5 da transmissão é feita por pessoas assintomáticas. Então, é preciso ter esse diagnóstico rápido pra gente ter controle da doença”, ressalta.

Para suprir a demanda por máscaras, aventais e outros equipamentos de proteção individual (EPIs), a empresa JGB foi escolhida ao propor a produção em escala industrial desses itens descartáveis a partir de TNT, por exemplo. Já a Diklatex Industrial Têxtil, também selecionada pelo SENAI, fabrica insumos hospitalares de tecido com proteção antiviral, que podem ser reutilizados.

Segundo o SENAI, ainda restam R$ 11 milhões a serem investidos. Para participar do edital de inovação, as proposições podem ser realizadas por meio do Whatsapp, no número (61) 99628-7337 ou pelo e-mail combatecovid19@senaicni.com.br.

Daniel Marques/Agência do Rádio

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.