Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Abril é tradicionalmente lembrado como o mês de prevenção, conscientização e combate às doenças que causam cegueira, o chamado “Abril Marrom”. A campanha foi instituída no Paraná através da lei 19.097/2017 proposta na Assembleia Legislativa do Paraná pelo deputado Dr. Batista (DEM) em parceria com o hoje deputado federal Schiavinato (PP).

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que no Brasil existam cerca de 1,5 milhão de pessoas cegas, o que corresponde a 0,75% do total da população.  Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no mundo todo 39 milhões de pessoas perderam totalmente a visão e outras 246 milhões sofreram perda moderada ou severa da visão.

 “As pessoas querem detectar as suas doenças e se elas forem apontadas em fase inicial até mesmo um câncer no olho pode ser curado totalmente”, explica o deputado Batista, destacando que o “Abril Marrom” é uma parceria entre o Estado e a sociedade organizada.

Os números são preocupantes, mas poderiam ser menores se algumas medidas fossem tomadas, como o acompanhamento periódico com um médico especialista. É o que defende a médica oftalmologista e diretora do Hospital de Olhos do Paraná, Luciane Moreira. “O diagnóstico precoce é o que mais evita a cegueira no mundo. Realizando o tratamento correto na hora correta, podemos evitar a progressão de muitas doenças que ocasionam a perda da visão. Também é muito importante o acompanhamento periódico com um oftalmologista”, aconselha a médica.

Entre as principais doenças que causam a cegueira, existem as que são reversíveis, como a Catarata, por exemplo, que é a principal causa de cegueira no mundo que pode ser revertida. Já as irreversíveis são aquelas que não tem cura, como o Glaucoma, que é um problema crônico que deve ser tratado pelo resto da vida. Dados da OMS mostram que 75% dos casos de cegueira no mundo podem ser prevenidos e até mesmo serem tratados.

Um motivo de otimismo são os avanços da ciência no diagnóstico e tratamento das doenças que podem levar à cegueira. “A medicina está evoluindo bem e muito rápido. Se a gente for ver, anos atrás existiam doenças que não tinham como controlar ou como parar a evolução e hoje em dia tem, evitando vários tratamentos mais agressivos”, diz a médica.

Pandemia agrava o problema - Por conta da pandemia do Coronavírus e a necessidade do isolamento social, muitos pacientes deixaram de realizar o acompanhamento oftalmológico, o que tem resultado no agravamento dos casos. Para se ter uma ideia do tamanho da queda, em se tratando apenas de catarata, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 148,8 mil procedimentos cirúrgicos ambulatoriais e 12,8 mil cirurgias com internações hospitalares entre janeiro e maio de 2020, números bem menores se comparados com o mesmo período de 2019, quando foram feitos 232,6 mil e 23,6 mil. Em relação às consultas oftalmológicas, também de janeiro a maio de 2020, foram 2,5 milhões — em 2019, totalizaram 3,9 milhões e em 2018, 3,6 milhões. “Eu costumo dizer ‘distanciamento social sim, distanciamento da saúde, jamais’. As doenças oculares continuam acontecendo mesmo com a pandemia. Pacientes com doenças crônicas que precisam de acompanhamento não podem deixar de ir ao médico, sob pena de agravamento do problema. Infelizmente é exatamente isto que vem acontecendo”, explica doutora Luciane Moreira.

Algumas doenças como como a Catarata, Glaucoma, Degeneração Macular, Ceratocone, Diabetes, Miopias progressivas e Retinopatia da prematuridade podem causar a cegueira.

Sobre o Abril Marrom

O Abril Marrom alerta sobre a prevenção, combate e reabilitação aos diversos tipos de cegueira. Durante todo o mês, entidades médicas, hospitais, associações de pacientes e órgãos governamentais realizam diversas atividades e eventos no sentido de conscientizar a população sobre os cuidados com a visão. Abril foi escolhido por ser o mês em que é comemorado o Dia Nacional do Braille, no dia 08. A data é o nascimento de José Álvares de Azevedo (08 de abril de 1834), professor responsável por trazer, em 1850, o alfabeto Braille ao Brasil. A cor marrom foi a escolhida para a campanha por ser a cor de íris mais comum nos olhos dos brasileiros.

ALEP

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.