Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Doença que afeta 30 milhões de pessoas no Brasil foi agravada pelo estresse e isolamento social decorrentes da pandemia

O aumento das queixas recorrentes de dor de cabeça e crises de enxaqueca na pandemia é uma realidade que muitos médicos vêm se deparando nos consultórios. Segundo um levantamento realizado a partir do aplicativo Migraine Buddy - um sistema estadunidense de rastreamento de pacientes com enxaqueca - com dados de 124.717 usuários por mês, a pandemia piorou os quadros de enxaqueca. Para a pesquisa foram ouvidos 1.689 usuários que afirmaram que a frequência média de enxaqueca aumentou ano a ano de 2018 a 2020. Os quatro gatilhos mais comuns foram estresse em 39,71%, falta de sono, 22,8%; cervicalgia (dor no pescoço) em 20% e, ansiedade em 19% dos participantes.

 “Um dos principais gatilhos das crises de enxaqueca é o estresse. E com a pandemia do novo coronavírus, impossível ficar indiferente diante dos sofrimentos e privações que sofremos. Tanto em estudos quanto na prática clínica, o que se viu foi uma piora da enxaqueca, principalmente por causa do estresse, mas também por fatores como insônia, ansiedade, restrição de atividade física e cancelamento ou adiamento de consultas médicas”, explica a médica neurologista Aline Vitali da Silva, coordenadora do Ambulatório de Atendimento em Cefaleia da Pontifícia Universidade Católica (PUCPR) Câmpus Londrina.

Soma-se a esse quadro o fato da cefaleia ainda ser um dos sintomas e possível sequela da Covid-19. “Diversos estudos apontam crises de enxaqueca como um dos efeitos da chamada Covid longa”, afirma a especialista. A enxaqueca, que afeta mais de 30 milhões de brasileiros, é a doença neurológica mais incapacitante e acomete principalmente mulheres e jovens, fazendo com que as pessoas percam dias de trabalho, estudos, atividades sociais e de lazer.

Os especialistas alertam: não é normal viver com dor

Estima-se que uma a cada cinco mulheres e um a cada 15 homens têm a doença. A enxaqueca é uma doença neurológica complexa que não tem cura, mas tem tratamentos que auxiliam os pacientes a lidarem com sua condição. Para combater as crises, informação e acompanhamento médico são essenciais. O tratamento exige atenção individualizada, por outro lado é uma oportunidade de recuperar a qualidade de vida. Os cuidados devem ser redobrados no período de pandemia, porque os hábitos do paciente influenciam no quadro geral e nas crises de enxaqueca.

Informação segura

 Os pesquisadores do Ambulatório da PUCPR Londrina desenvolveram o e-book “Não é drama, é dor de cabeça” com esclarecimentos sobre enxaqueca (migrânea) e dor de cabeça (cefaleia). O livro virtual e de livre acesso pela comunidade é o resultado de um ano de pesquisa de professores e estudantes do curso de Medicina com o objetivo de responder às principais dúvidas dos pacientes.

O livro teve a supervisão e orientação das professoras Aline Vitali, Regina Célia Poli-Frederico e Valéria Aparecida Bello, do curso de Medicina da PUCPR Câmpus Londrina. Na obra estão informações sobre os tratamentos mais conhecidos e os mais recentes, como medicamentos que atuam em nível molecular, o uso da toxina botulínica (Botox®️) e até uma lista de aplicativos de celular que ajudam o paciente a ficar atento à sua rotina evitando as crises de enxaqueca. A publicação pode ser acessada de forma gratuita pelo site www.naoedrama.com.br por meio do celular, tablet ou computador. 

O grupo também produziu vídeos informativos sobre quadro clínico e diagnóstico, fisiopatologia e tratamento da enxaqueca, entre outros. Os vídeos estão disponíveis no canal no Youtube Neurologia PUCPR Londrina e também pela conta de Instagram @nao.e.drama.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.