Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A proposta busca permitir à mulher a realização da cirurgia de laqueadura, sem a necessidade de autorização por escrito do marido, como prevê a legislação atual, facilitando o acesso ao direito constitucional do planejamento familiar

A deputada Mabel Canto (PSC) protocolou na segunda-feira (20), Projeto de Lei n.º 749/21, que garante à mulher, a realização de cirurgia de laqueadura durante a realização do parto cesariana. O PL garante à mulher a efetivação do direito constitucional ao planejamento familiar, regulamentado pela Lei Federal n.º 9.263/1996, disciplinando a prática da realização da esterilização cirúrgica no Paraná.

“Recebo diariamente inúmeras reclamações de mulheres que não estão conseguindo realizar a cirurgia de laqueadura durante a cesariana, embora o planejamento familiar seja um direito constitucional. Por falta de atendimento, elas acabam sendo obrigadas a agendar novas consultas e atendimentos após o parto, e quando eles são marcados, muitas já estão grávidas novamente, sem terem o seu direito efetivamente assegurado”, comentou Mabel Canto.

A proposição ainda garante que toda mulher com 25 anos ou mais, poderá decidir pela realização da cirurgia, sem a necessidade de autorização do marido, depois de conscientizada e informada acerca dos métodos contraceptivos menos invasivos e da irreversibilidade da esterilização.

Lei federal exige que mulheres peçam autorização ao marido para realização da laqueadura

O direito à realização da cirurgia de laqueadura é previsto na Lei Federal n.º 9.263/96, entretanto, na prática, centenas de mulheres em todo o país não estão conseguindo exercê-lo, seja em decorrência da burocracia exigida ou da má vontade de instituições e de alguns profissionais. Além disso, para a realização da cirurgia de laqueadura, a lei federal exige autorização expressa do cônjuge, o que dificulta ainda mais a realização do procedimento.

Dessa forma, a proposição de Mabel Canto busca facilitar à mulher a opção pela laqueadura, durante a realização do parto cesariana, mediante a simples cientificação do cônjuge, dispensando-se assim, sua autorização.

Sendo aprovado, o PL prevê multa no valor de 100 Unidades Padrão Fiscal do Paraná (UPF/PR), aplicado em dobro em caso de reincidência, aos estabelecimentos que descumprirem a lei. Aos profissionais de saúde que descumprirem a lei, a multa será de 10 UPF/PR, também aplicada em dobro em caso de reincidência.

Em sua justificativa a parlamentar argumenta que: “Há cerca de 25 anos o Brasil deu um grande avanço na consolidação do direito ao planejamento familiar, por meio da Lei Federal n. 9.263/96, foram estabelecidas premissas para garantia de diversas ações, de programas e de políticas públicas que convergem para “garantia de direitos iguais de constituição, limitação ou aumento da prole pela mulher, pelo homem ou pelo casal”. Passado um quarto de século, faz-se necessário promover, ainda que em sede de regulamentação limitada ao Estado do Paraná, uma atualização aos ditames da referida lei. É inegável a importância do tema, cujo debate deve ser fomentado, de modo que se buscará realizar audiências públicas e também a oitiva da sociedade, especialistas e demais interessados neste assunto, a fim de que o texto que se espera aprovar reflita na redação mais adequada à sociedade paranaense”.

Francieli Affornalli/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.