Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Saúde 31/03/2021  09h27

Dúvidas sobre a vacina

Nesta época de mudança de estação e entrada do outono, mesmo período em que todos os olhos se voltam para a Campanha Nacional de Imunização contra a COVID-19, começa também a campanha de vacinação contra a Gripe (H1N1).

Muitas pessoas têm questionado se ainda é necessário fazer a vacinação da gripe. Como se tratam de cepas diferentes, é preciso tomar a vacina contra a influenza, mesmo se já tomou a vacina da Covid ou se ainda está aguardando.

Entenda aqui um pouco mais sobre o funcionamento das vacinas do coronavírus e da gripe influenza.

Vacina da gripe (influenza)

A vacina disponível no setor privado é a Quadrivalente, que previne contra quatro cepas circulantes: H1N1, H3N2, linhagens Yamagata e Victoria. É indicada para todas as pessoas a partir dos 06 meses de vida, e aplicada em única dose.

As reações descritas em bula são dor local, febre acima de 37.8ºC, vermelhidão, inchaço temporário. Essas reações podem perdurar por até três dias. “Para pacientes alérgicos a proteína do ovo: essa pergunta é primária antes da vacinação, o paciente deve ser monitorado para reações leves, moderadas a graves, por isso o tempo de monitorização pós vacina são 30 minutos no local que foi aplicado”, reforça Thiago Bordinhão, coordenador de treinamento da Vale Verde.

Vale ressaltar que a orientação é seguir o calendário vacinal da SBIM - Sociedade Brasileira de Imunização e a programação nacional de imunização (PNI) de crianças, gestante e idosos. A Rede Vale Verde iniciará a campanha de vacinação contra a gripe nas unidades da Avenida Higienópolis, 834, do Carbamall (Rod. Mabio Gonçalves Palhano, 200) ou através do Farma móvel com agendamento feito com até 15 dias de antecedência. Informe-se.

Vacina contra Covid-19

O Brasil conta até o momento com duas vacinas contra o vírus Sars-coV-2: a Coronavac/ Sinovac e a Astrazeneca/ Oxford. A Pfizer ainda segue em tramitação para disponibilização.

Coronavac/ Sinovac:  Vacina da farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Criada a partir do vírus vivo inativado, ou seja, contém o vírus causador da doença, mas sem poder de gerar infecção, apenas a resposta imunológica. “A tecnologia farmacêutica retira “pedaços” que chamamos de proteínas de adesão, penetração e replicação viral para que o paciente não desenvolva a doença propriamente dita”, esclarece Thiago Bordinhão. A Coronavac tem eficácia de 50%, ou seja, o paciente vacinado tem 50% menor de evoluir para a forma grave e sem chance de ir a óbito.

Existem diversas vacinas com essa mesma tecnologia como a tríplice bacteriana, gripe, raiva, HPV, entre outras. A Coronavac tem aplicação intramuscular (braço) com duas doses com intervalo de 14 a 28 dias. Com relação à resposta imunológica, a 1ª dose gera uma resposta fraca e a 2ª dose gera uma resposta forte, muito eficaz para a memória imunológica.

Como reação, essa vacina pode causar dor, fadiga, febre, dor muscular, diarreia, náusea, dor de cabeça, vômitos, dor abdominal, distensão abdominal, tontura, tosse, perda de apetite, hipersensibilidade e pressão arterial elevada.

AstraZeneca/ Oxford: Resultado da parceria entre a Universidade de Oxford e a indústria AstraZeneca, em parceria com a Fiocruz, tem imunização a partir de vetor viral não replicante, ou seja, de um outro vírus chamado: adenovírus que estimula a produção de anticorpos através da proteína S (Spike). Essa proteína ativa o sistema de defesa contra o vírus. Tem eficácia de 70%, ou seja, o paciente vacinado tem 70% menor de contrair o vírus e evoluir para a forma grave e ir a óbito.

A aplicação é feita via intramuscular com duas doses com intervalo de 4 a 12 semanas. Com relação a resposta imunológica, a 1ª dose gera resposta moderada e a 2ª, uma resposta forte. As reações a esta vacina são dor e vermelhidão local da aplicação da vacina, dor de cabeça, fadiga, dor muscular e febre.

 “Para avaliar a eficácia da vacinação, é essencial que, 30 dias após a primeira dose, seja feita a testagem pós vacina, ou 14 dias após a segunda, serviço novo que estará disponível em breve na Rede Farmácia Vale Verde”, revela Thiago Bordinhão, coordenador de treinamento da Vale Verde.

Tive covid. Posso tomar as vacinas?

Sim. Segundo Thiago Bordinhão da Rede Vale Verde, os protocolos para imunização pós covid para vacinação devem seguir os fluxogramas de atendimento médico. “Se foi administrada vacina da gripe influenza e precisa ser tomar a vacina para coronavírus (Coronavac, por exemplo), é interessante aguardar 14 dias entre uma vacina e outra.

Emilia Miyazaki/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios