Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose luta pelo diagnóstico precoce, tratamento completo e gratuito, além de políticas públicas efetivas

O mês de março começou e, junto, o Março Amarelo, mês de conscientização sobre a endometriose, uma doença crônica que atinge 1 em cada 10 mulheres no país, segundo estimativas da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva. No próximo dia 28 de março de 2020, acontecerá em todo o mundo a 7ª edição da EndoMarcha – Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose (EndoMarch - Million Women March for Endometriosis). O evento reúne mulheres de mais de 75 países, entre eles o Brasil, que participa desde a 1ª edição mundial, em 2014. A cidade de Londrina também participa do evento desde 2015 e, novamente, contará com realização do EndoMulheres Londrina, grupo de apoio às portadoras de endometriose.

Neste ano, a EndoMarcha Time Brasil reunirá 22 cidades de norte a sul do país: Belém, Belo Horizonte, Boa Vista, Brasília, Baixada Santista, Campo Grande, Curitiba, Goiânia, Feira de Santana, Florianópolis, Fortaleza, Leme, Londrina, Manaus, Maringá, Salvador, São Luís, São Paulo, Sorocaba, Recife, Rio de Janeiro e Uberlândia. A concentração está marcada em todo Brasil para às 9h (horário de Brasília), com início da caminhada previsto às 10h em todas as regiões. Em Londrina, a concentração da Marcha será no Calçadão (em frente ao Banco do Brasil) e segue pelas ruas do centro da cidade em direção à Concha Acústica, onde acontece o encerramento do evento.

 “A marcha é o único evento legítimo mundial de reivindicação pelos nossos direitos, pelo diagnóstico precoce e pelo reconhecimento da endometriose como doença social, com a criação de políticas públicas para que haja tratamento completo pelo SUS em pelo menos todas as capitais do país”, afirma Caroline Salazar, capitã brasileira da EndoMarcha, jornalista e autora do blog A Endometriose e Eu. A caminhada visa tirar a doença da invisibilidade e conscientizar mulheres, familiares, amigos e especialistas acerca da possibilidade de cura da doença. Pouco abordada no Brasil, a cirurgia de excisão/ressecção é a que mais apresenta chances de erradicar a doença e devolver qualidade de vida à mulher portadora da endometriose.

A endometriose é uma doença caracterizada pela presença de um tecido semelhante ao endométrio fora da cavidade uterina. Os sintomas são vários, sobretudo, cólicas menstruais fortes, inclusive, fora do período menstrual, dor durante e após as relações sexuais, com desenvolvimento da dispareunia, fadiga e cansaço extremo, inchaço abdominal, dor e ou sangue nas fezes e na urina, entre outros. Estima-se que 200 milhões de meninas e mulheres sejam atingidas pela endometriose em todo o mundo. No Brasil, a estimativa é que esse número seja superior a seis milhões de portadoras. Apesar dos altos índices, a doença é negligenciada e inviabilizada; prova disso é que a endometriose não é considerada uma doença social, o diagnóstico é tardio (leva em média de 7 a 12 anos), os tratamentos pela rede pública são praticamente inexistentes ou inacessíveis à grande maioria e as cirurgias restritas, quando realizadas.

Dia Nacional de Luta contra a Endometriose

Este ano, a Marcha celebra um grande avanço para as endomulheres brasileiras: a aprovação no último dia 19 de fevereiro, pela Câmara dos Deputados, do Projeto de Lei 3047/2019, que institui o dia 13 de março como o “Dia Nacional de Luta contra a Endometriose”, bem como a “Semana Nacional de Luta contra a Endometriose”. O dia escolhido é em homenagem à 1ª edição da EndoMarcha no Brasil e no mundo: 13 de março de 2014. O PL é encabeçado pela deputada federal Daniela do Waguinho (MDB/RJ), que, agora, sege para votação no Senado Federal e, depois, quando aprovado, deve ser sancionado pelo presidente tornando-se lei federal.

EndoMulheres Londrina

Criado em 2017, o EndoMulheres Londrina é um grupo de apoio a mulheres de Londrina e região, cujas integrantes que se conheceram por conta da endometriose. Portanto, o coletivo é independente, formado por mulheres portadoras de endometriose, e não possui nenhum vínculo político, partidário, religioso ou ideológico. O objetivo é a troca informações, desabafos e, principalmente, afeto entre as portadoras de endometriose, além da luta por políticas públicas efetivas no diagnóstico e tratamento da doença. Atualmente, a EndoMarcha é um dos principais eventos do grupo, porém, ao longo do ano, o coletivo realiza palestras e reuniões gratuitas com profissionais da área.

Marian Trigueiros/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios