Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Educadores físicos vão realizar diversas atividades e exercícios físicos com pessoas que aguardam a doação de órgãos, já são transplantados e seus familiares

Para conscientizar a população sobre a importância da doação de órgãos e tecidos, a Fundação de Esportes de Londrina (FEL) vai realizar no próximo sábado (25), das 9h às 11h, uma série de atividades físicas com os pacientes que estão na fila do transplante de órgãos e com aqueles que já foram transplantados. A atividade será no Ginásio de Esportes Professor Darci Cortez (Moringão), na Rua Gomes Carneiro esquina com a Alameda Julio de Mesquita Filho. Para quem não puder ir até o local, será possível acompanhar pela internet, pois o evento será transmitido ao vivo pelas redes sociais da FEL (https://linktr.ee/fellondrina).

Durante a ação, os educadores físicos da FEL, Joana Arruda, Janaína Amarante, Carol Macário e Maurício Rosa vão animar os participantes. Eles farão uma série de exercícios físicos, como alongamento, atividade para flexibilidade corporal e fortalecimento de músculos. “Faremos algumas atividades com os participantes, incentivando-os a praticar atividade física e, principalmente, vamos orientar e incentivar a população a doar órgãos”, declarou o diretor-presidente da FEL, Marcelo Oguido.

Os interessados em participar podem telefonar para o (43) 9 9113-0255. Para a atividade é preciso usar obrigatoriamente a máscara de proteção facial e manter o distanciamento social. Também recomenda-se a higienização das mãos com álcool em gel.

A ação é uma parceria entre diversas instituições, como a Prefeitura de Londrina, por meio da Fundação de Esportes de Londrina, com a Organização de Procura de Órgãos e Tecidos (17ª Regional de Saúde) e o Instituto Paranaense de Esportes e Cultura (IPEC). Ela também conta com o apoio do vereador Fernando Madureira, que é educador físico.

Setembro Verde

O mês foi escolhido porque no dia 27 de setembro é celebrado o Dia Nacional da Doação de Órgãos. Como a cor verde é o símbolo mundial da doação de órgãos, ela foi escolhida para marcar a data. No Brasil, para doar órgão e tecido, não é necessário deixar nada por escrito, basta comunicar aos familiares que tem a intenção de doá-los. Assim, a família concretizará o desejo da pessoa falecida com uma autorização por escrito.

Para doar órgãos não há restrições de idade, classe ou gênero, assim como não há custos. Mas, é preciso analisar clinicamente alguns critérios como a causa da morte, presença ou não de doenças infecciosas e outros fatores. Segundo dados do Ministério da Saúde, uma pessoa é capaz de salvar até oito vidas com a doação de órgãos, visto que pode ser doadora de rim, coração, pulmão, fígado, pâncreas e de tecidos, como ossos, pele e córnea.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.