Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Convite foi feito pelo presidente da Câmara de Londrina, vereador Ailton Nantes, e pelo vereador Pastor Gerson Araújo, autor de lei sobre o assunto

Durante a sessão ordinária remota de ontem (11) da Câmara de Londrina, o médico neurologista Leonardo Valente de Camargo falou sobre os sintomas e as características da Atrofia Muscular Espinhal (AME), doença degenerativa de origem genética que provoca dificuldades motoras e atinge cerca de 3 mil pessoas no Brasil. Também participaram da sessão a presidente da Associação AME para Viver, Nayara Salustiano Alvares França, e Darlene França, mãe de uma criança de 7 anos com AME. Os convites foram feitos pelo presidente da CML, vereador Ailton Nantes (PP), e pelo vereador Pastor Gerson Araújo (PSDB), autor da lei n° 12.843/2019, que instituiu a Semana sobre Atrofia Muscular Espinhal (AME), realizada anualmente na primeira semana de agosto.

Segundo o neurologista Leonardo de Camargo, a AME provoca a degeneração dos neurônios motores, que fazem conexão do cérebro com a medula e os músculos. "Essa é uma condição que leva à flacidez dos músculos, fraqueza, tremores das mãos, dos pés e da língua, deformidades, dificuldade para respirar e dificuldades para deglutir. É uma condição muito limitante. Nós já nascemos com todos os neurônios motores que termos durante toda a vida, eles não se regeneram. Ou seja, se esses neurônios morrerem, essa deficiência vai de manter pelo resto de nossas vidas", explicou.

Ele afirmou que existem quatro tipos de AME, conforme a gravidade e o momento em que a doença se manifesta. O Tipo I acontece da vida uterina até 6 meses de vida. As crianças com essa forma da doença não conseguem se sentar e podem morrer precocemente, caso não recebam nenhum tipo de suporte. O Tipo II normalmente se manifesta a partir do segundo semestre de vida e, nesse caso, a habilidade máxima desenvolvida pela criança é a capacidade de se sentar. O Tipo III ocorre a partir de 18 meses de vida e o Tipo IV geralmente tem início entre os 30 e os 40 anos, de forma menos agressiva.

De acordo com o médico, o governo federal liberou no ano passado o uso de um medicamento de altíssimo custo para o tratamento dos tipos I, II e III da doença, mas há critérios rígidos de seleção dos pacientes, que incluem idade do início dos sintomas e de início do tratamento. "É uma terapia gênica infundida dentro da coluna do paciente. […] Essa medicação entrou no mercado nacional com valor de R$ 380 mil o frasco. Nos primeiros 60 dias de tratamento, são quatro frascos", disse. Leonardo Camargo destacou ainda a necessidade de que seja implantado um centro de referência para a doença em Londrina. "O SUS só pode liberar um medicamento de alto custo como esse se acompanhar esses pacientes e tiver certeza de que eles têm a doença diagnosticada adequadamente, que há uma indicação precisa e que o paciente vai receber um suporte multidisciplinar. […] O Ministério da Saúde liberou 50 centros de referência no país. O Paraná foi contemplado com apenas um centro, no Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba", afirmou.

A falta de um olhar voltado para a doença na região de Londrina foi ressaltada também por Darlene França, mãe de criança de 7 anos com AME Tipo II. "Procuramos ajuda fora da cidade para saber que caminho deveríamos percorrer. Quando você tem o diagnóstico, recebe a notícia de que seu filho vai morrer, de que não vai andar. O diagnóstico da minha filha foi AME tipo II, mas o quadro clínico dela hoje é comparado ao do Tipo III. Ela tem suas limitações, mas consegue se locomover. Queremos que o poder público olhe para nós", disse. Para auxiliar as famílias, está sendo constituída em Londrina a Associação AME para Viver. Presidente da associação, Nayara Salustiano Alvares França reforçou as dificuldades de quem cuida dos pacientes. "A doença resulta numa demanda de cuidados muito grande, incluindo a adaptações de ambientes. Devido à condição financeira, muitas famílias têm dificuldades", afirmou. 

Emenda parlamentar

Sobre a necessidade de um centro multidisciplinar para atender aos pacientes com AME, o vereador Amauri Cardoso (PSDB) afirmou que uma emenda parlamentar elaborada por um grupo de ex-deputados e senadores destinou R$ 5,2 milhões para a construção de um centro especializado em reabilitação em Londrina, com atendimento multidisciplinar, para pacientes com deficiência auditiva, motora e intelectual. A obra deve ser erguida ao lado da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Jardim Sabará. Cardoso questionou se o centro  não poderia ser utilizado também para atividades voltadas aos pacientes com AME.

O vereador João Martins (PL) chamou a atenção para a necessidade de investimentos na área. "Por que não ter uma política de atendimento dessas pessoas? Há tantos outros milhões gastos em outras coisas", argumentou. Autor da lei que criou a Semana sobre Atrofia Muscular Espinhal, o vereador Pastor Gerson Araújo (PSDB) agradeceu aos convidados e lembrou a importância da informação. "Eu parto do princípio de que o remédio pode ser muito bem a informação, porque grande parte da população não tem a menor noção do que é isso. Tanto que a dona Darlene expôs a dificuldade de saber que medida tomar em relação a sua filha", disse.

Ascom/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.