Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Londrina negocia possibilidade de compra da Coronavac, vacina que está sendo produzida no Brasil pelo Instituto Butantan

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, divulgou na terça-feira (29), que está em negociação com o Instituto Butantan para firmar intenção de compra da Coronavac. A vacina contra a Covid-19 está sendo produzida no Brasil, em parceria do Instituto com a farmacêutica Sinovac Life Science.

Trata-se de uma medida preventiva, a ser efetivada caso a vacina contra a Covid-19 não seja fornecida pelo Plano de Imunização do Governo Federal, coordenado pelo Ministério da Saúde.  De acordo com o prefeito, o contato com o Instituto é para manifestar, oficialmente, a intenção de compra da vacina e definir como funcionará esse processo, caso o município necessite das doses. “Nós não iremos deixar faltar vacina na nossa cidade. Se após a aprovação da Anvisa, por qualquer problema, o governo federal não nos enviar, nós teremos condições de adquirir doses e garantir aos londrinenses a imunização contra o coronavírus”, comentou.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, a equipe da Prefeitura aguarda informações do Butantan para formalizar a intenção de compra junto ao governo de São Paulo. “Protocolos, quantidade de doses e preço são algumas das informações que o Butantan deve nos passar, para que possamos compreender toda a dinâmica de compra e nos preparar para o recebimento”, disse.

Coronavac

O desenvolvimento da vacina Coronavac está na reta final pois concluiu a terceira fase de testes clínicos, na qual é verificada sua eficácia em pessoas. Estes testes foram realizados no Brasil, Indonésia, Turquia e Chile. No Brasil, 13 mil profissionais de saúde voluntários, com idades entre 18 e 59 anos, participaram dos testes, sendo que metade recebeu doses da vacina e os demais de placebo.

A Secretaria Municipal de Saúde esclareceu que a vacina será distribuída somente após a aprovação dos órgãos reguladores. Quanto à aplicação das doses, a SMS estima que deverá iniciar com os profissionais de saúde e pessoas que integram os grupos de risco, se estendendo rapidamente para toda a população.

NCPML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.