Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A cada 100 londrinenses, 58 já tomaram a primeira dose da vacina, ou seja, 58% da população adulta, impactando na desaceleração da pandemia; números foram apresentados na live semanal do prefeito Marcelo Belinati

O prefeito Marcelo Belinati apresentou, ao lado do secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, os números atualizados da pandemia da Covid-19 em Londrina e no Estado, na live realizada semanalmente. Os indicadores apontam uma desaceleração da pandemia, após seis meses da vacinação contra a doença, iniciada no dia 19 de janeiro. De lá para cá, mais de 360 mil doses de vacinas foram aplicadas em Londrina, por meio de um processo de atendimento que tem sido referência no país.

 “Londrina é uma das cidades mais avançadas na vacinação. Estamos dando exemplo de como vacinar, sem filas, sem aglomeração, com um sistema moderno e totalmente informatizado”, apontou o prefeito. Durante a live, o prefeito também anunciou a liberação do cadastro prévio para vacinação contra Covid-19, voltado à população em geral com 30 anos ou mais. O cadastro deve ser feito no Portal da Prefeitura.

Segundo os dados apresentados, houve redução na ocupação de leitos em todo o Estado, nas últimas semanas. No momento, a ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Paraná é de 72%, somando todas as regiões. Na Macro Leste, região de Curitiba, a ocupação é de 70%; a Macro Oeste, região de Cascavel, registra 80% de ocupação; a Macro Noroeste, região de Maringá, 65%; e a Macro Norte, região de Londrina, 73%. Há 548 leitos de UTIs livres em todo o estado do Paraná.

O levantamento também aponta que em 1 de junho, 98% das UTIs estavam ocupadas, quando 31% da população estava vacinada com dose única ou com a primeira dose. Agora, Londrina já possui 58% da população adulta vacinada, acima de 18 anos, com a primeira dose, e a ocupação das UTIs caiu para 73%. Hoje, a cada 100 londrinenses, 58 já tomaram a primeira dose da vacina. E a cada 100 pessoas, 24 já tomaram as duas doses. “Isso mostra que quanto maior o número de pessoas vacinadas, menor a quantidade de pessoas internadas em UTIs”, destacou o secretário Machado.

Segundo o secretário, neste mês vai haver um volume maior de pessoas vacinadas com a segunda dose, pois muitos londrinenses que receberam a primeira dose em abril deverão receber a segunda aplicação em julho, após três meses.

Outro dado apresentado na live aponta que, em janeiro e fevereiro havia 407 londrinenses com Covid-19, entre enfermaria e UTI, e houve uma redução, nos meses de junho e julho, para 223 pessoas internadas, o que significa uma queda de quase 50%.

Média Móvel

Há 14 dias a média móvel era de 213 casos novos por dia. Agora, a média caiu para 120, uma redução de 43% em relação aos últimos 14 dias. Segundo o prefeito Marcelo Belinati e o secretário Felippe Machado, a redução deve-se ao avanço da vacinação.

Índice de transmissão

O R0, indicador que mede a velocidade da pandemia, também apresenta uma tendência de queda. Na última semana o índice foi de 1,02 e agora está em 0,95. Significa que cada grupo de 100 pessoas, contamina outras 95. Quando este índice está abaixo de 1, demonstra uma desaceleração da pandemia e, acima de 1, que está em aceleração.

Casos positivos

Sobre os casos positivos por mês, junho é mês com maior número de casos de toda a pandemia, contabilizando 8.838 casos, em especial por conta das duas primeiras semanas do ano, ultrapassando o mês de janeiro, que é o segundo mês com maior número de casos, com 8.688. O mês de julho, até o dia 18, registra 2.540 casos.

Óbitos

Também foi apresentado, na transmissão ao vivo, o quadro de casos e de óbitos por faixa etária, de todo acumulado da pandemia, em Londrina. Entre pessoas com 0 a 9 anos foram 1.974 casos confirmados (2,86% dos casos) e nenhum óbito; de 10 a 19 anos, 4.889 casos (7,08% dos casos) e um óbito, que corresponde a 0,06% dos óbitos; de 20 a 39 anos, 28.574 casos (41,39% dos casos) e 94 óbitos (5,17% dos óbitos); de 40 a 59 anos, 23.491 casos confirmados (34,03% dos casos) e 445 óbitos (24,48% das mortes); mais de 60 anos, foram 10.101 casos (14,63% dos casos) e 1.278 mortes (70,30% dos óbitos).

Boletim

O boletim do último domingo (18), apontou 61 novos casos confirmados de coronavírus no dia, com um acumulado de 69.029 casos, desde o início da pandemia. Houve, neste dia, seis novos casos curados, de um acumulado de 66.574. Ontem não foi registrado nenhum óbitos. O acumulado de óbitos, desde o início da pandemia, é de 1.818.    

Testes

Segundo o secretário Machado, Londrina é a cidade que mais realiza testes no Estado. Já foram feitos 208.899 testes, desde o início da pandemia, do tipo RT-PRC, considerado padrão ouro. Destes, 69.029 foram confirmados, 139.802 foram descartados e outros 68 estão aguardando o resultado.

Ocupação de leitos – Durante a live foi exibida, ainda, a taxa de ocupação de leitos do município. A ocupação de leitos de enfermaria, entre os do SUS e do sistema privado, é de 50%, e da UTI geral é de 71%. Dos 339 leitos de UTI disponíveis em Londrina para adultos, 241 encontram-se ocupados. Já a ocupação da UTI pediátrica é de 73%, ou seja, dos 71 leitos disponíveis, 53 estão ocupados neste momento.

Com relação os leitos do SUS, exclusivos para covid-19, dos 196 leitos disponíveis de enfermaria, 85 estão ocupados (43%). Já a taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 73%, ou seja, dos 146 leitos disponibilizados, 107 estão ocupados. Sobre as UTIs pediátricas dos SUS, dos 14 leitos existentes, dois estão ocupados neste momento (14% de ocupação).

Vacinação

De acordo com os números atualizados da vacinação contra a Covid-19 em Londrina, até as 23 horas de sábado (17), foram vacinadas em Londrina 257.310 pessoas com primeira dose. Dessas, 96.189 já tomara as duas doses e completaram o esquema de vacinação. Outras 10.744 pessoas receberam a vacina de dose única. No total, 364.243 doses foram aplicadas desde o início da campanha, em 19 de janeiro deste ano.

Violência contra a mulher 

Durante a live, o prefeito aproveitou a oportunidade para falar sobre a violência contra a mulher. Ele lembrou que na última semana o país se chocou com alguns casos de violência contra as mulheres e que um deles aconteceu em Londrina. O caso de uma mulher que foi jogada dentro de um fosso, com três metros de profundidade, e que foi resgatada pela Guarda Municipal. “Infelizmente, esse tipo de situação tem acontecido no Brasil e em Londrina também”, disse.

Marcelo parabenizou o trabalho da Guarda Municipal e enfatizou que o diferencial de Londrina, em relação a muitas cidades do Brasil, é que o município possui uma rede de apoio às mulheres em situação de violência, que conta, por exemplo, com os serviços da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, a Patrulha Maria da Penha, feita pela Guarda Municipal de Londrina e voltada às mulheres que têm medidas protetivas expedidas pela justiça, e o Centro de Atendimento à Mulher (CAM), que presta atendimentos psicossociais e orientação jurídica, para que as mulheres possam romper o ciclo de violência.

O prefeito divulgou o telefone do CAM (3378-0132) e o endereço (Avenida Santos Dumont, 408) e lembrou que é garantido o sigilo absoluto no atendimento. O local funciona das 8h às 18h.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios