Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Essa semana, Londrina vai realizar a 1ª Semana Municipal de Informação e Conscientização sobre Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e outros transtornos neuropsiquiátricos. A abertura oficial das atividades será na próxima terça-feira (2), às 14 horas, na Câmara Municipal de Londrina.

O objetivo da semana é informar e conscientizar a população sobre o transtorno de déficit de atenção e outros neuropsiquiátricos, que atingem diversas crianças e adultos. Para isso, toda a rede municipal de serviços de educação, saúde e assistência social  está integrada e desenvolverá ações informativas.

As escolas farão palestras com pais, professores e comunidade em geral, além de publicarem cartazes e painéis informativos e desenvolverem atividades pedagógicas e decoração com balões laranjados, simbolizando a cor do TDAH. As Unidades Básicas de Saúde, o CAPS Infantil, Políclinica e os serviços de atendimento de saúde mental como um todo estarão integrados com as ações coordenadas pelos psicólogos do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), assim como também o farão os serviços da assistência social através dos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS).

Além desses trabalhos pulverizados pela cidade, serão realizadas palestras para os professores da rede municipal de ensino, para servidores municipais, estudantes de psicologia e de pedagogia e interessados pelo assunto. Para finalizar a semana, na sexta-feira (5), às 19 horas, haverá uma mesa redonda debatendo a “Medicalização na Infância: desafios e responsabilidades”, com os médicos Dr. Clay Brites, Rosa M. J. Scicchitano, Dra. Vera Dolens, Dra. Amanda Angêlica e Dr. Fernando Zanlucchi, no auditório da Unopar Piza (Rua Marselha, 183, Parque Res. João Piza).

“Nossa intenção é conscientizar os pais, familiares, professores, psicólogos e profissionais da saúde em geral para a intervenção nas questões de comportamento, atenção e memória. Pois, se fala muito em medicar as crianças com TDAH e pouco da importância do tratamento psicopedagógico associado. Com a medicação a criança ficará mais calma, mas se não houver tratamento multimodal adequado por parte da escola, da família e de psicólogos não haverá mudança no comportamento”, explicou Cristiane Sola, uma das coordenadoras da semana e gerente da Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação.

Na rede municipal de educação de Londrina existem 305 estudantes diagnosticados com TDAH. Todos têm acompanhamento multiprofissional e usufruem -de uma a duas vezes por semana- das salas de recursos multifuncionais. Ao todo, são 39 salas disponíveis e 54 professores com formação especial para atendê-los.

Segundo a psicóloga especialista clínica da Policlínica e uma das coordenadoras da semana, Alessandra Batista de Souza, o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, que aparece na infância e geralmente acompanha a pessoa na vida adulta. São comuns sintomas como inquietude, impulsividade e falta de concentração. O TDAH aparece de duas formas, sendo uma a TDA, em que a criança não presta atenção naquilo que lhe é passado, não retém informações, apresenta ansiedade e baixo rendimento escolar. No segundo caso, no TDAH, o indivíduo tem dificuldade para aprender por conta da hiperatividade, assim como não consegue manter o foco em algo específico.

“Os sintomas do TDAH são muito parecidos com os de outras doenças que aparecem na infância como a depressão e traumas por conta de abusos sexuais, por exemplo. Por isso, de cada 10 crianças que recebíamos com suspeita de transtorno de déficit de atenção, somente duas realmente tinham o problema. Após a orientação aos professores e profissionais da saúde, conseguimos extinguir a fila de espera para o atendimento às crianças e, hoje, o município está com toda a rede engajada”, afirmou Alessandra.

O tratamento às crianças com transtorno deve ser multidisciplinar, com psicoterapia, adequação dos ambientes escolar e familiar; auxílio de fonoaudiólogos para trabalhar a comunicação que, por vezes, fica dificultada; psicopedagogos e, se não houver melhoras, deve partir para a intervenção medicamentosa.

A  I Semana Municipal de Informação e Conscientização sobre Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e outros transtornos neuropsiquiátricos foi instituída através da Lei Municipal n° 12.398/2016.

Ela conta com o apoio do Sindserv e realização da Prefeitura de Londrina em conjunto com o Movimento Criança na Rede. O Movimento é formado por profissionais municipais que atendem as crianças com transtornos e por instituições ligadas a área como APAE; Instituto Londrinense de Educação para Crianças Excepcionais (ILECE); Flavia Cristina Escola de Educação Especial; Instituto Roberto Miranda, entre outros

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios