Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira etapa contempla idosos e profissionais de saúde. Por conta do coronavírus, vacinação ocorre nos espaços esportivos, carro e residências das pessoas

A Secretaria Municipal de Saúde já imunizou cerca de 5.150 pessoas em Ibiporã desde o início da Campanha Nacional Contra a Influenza (gripe), iniciada no dia 23 de março. Nesta primeira etapa, que segue até 15 de abril, estão sendo vacinados idosos com mais de 60 anos e profissionais de saúde.

Segundo a Vigilância Epidemiológica, a cobertura vacinal de idosos e trabalhadores de saúde já chegou a 77,52 e 33,52%, respectivamente. Ibiporã possui 6.009 idosos e 898 trabalhadores de saúde. A meta é vacinar, pelo menos, 90% de cada um desses públicos.

Para evitar a aglomeração de pessoas nas unidades de saúde, por conta da pandemia do novo coronavírus, o Município está utilizando diferentes estratégias de vacinação, tais como a utilização de espaços esportivos, drive thru, em que a pessoa é imunizada sem sair do carro, e a imunização de idosos com mais de 80 anos, acamados e domiciliados nas residências.

A Secretaria de Saúde aguarda a chegada de mais um lote de vacinas – o que deve ocorrer até o final da semana – para vacinar o restante deste público. Para se imunizar, é necessário portar documento com foto, Cartão SUS e cartão de vacina, se tiver. Profissionais de saúde também devem apresentar comprovante.

Outros públicos

A etapa seguinte da campanha terá início no dia 16 de abril com objetivo de vacinar doentes crônicos, professores (rede pública e privada) e profissionais das forças de segurança e salvamento. A última fase, que começa no dia 9 de maio, priorizará crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com 55 a 59 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com deficiência, povos indígenas, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

Neste ano, o Ministério da Saúde mudou o início da campanha, de abril para março, para proteger de forma antecipada os públicos prioritários contra os vírus mais comuns da gripe. “A vacina contra influenza não tem eficácia contra o novo coronavírus, porém, neste momento, auxiliará os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para a doença, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde”, ressalta a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Vanessa Luquini. A vacina contra a Influenza não previne contra o coronavírus, mas pode evitar internações decorrentes da síndrome provocada pelo H1N1.

Adiamento das vacinas de rotina

Seguindo as orientações do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde (SESA), a Secretaria Municipal de Saúde está suspendendo as vacinas de rotina previstas no calendário do Sistema Único de Saúde (SUS) até o dia 16 de abril, quando se inicia a segunda etapa da campanha contra a Influenza.

Essas orientações se fazem necessárias, uma vez que a primeira fase da Campanha de Influenza contempla o grupo prioritário com maior risco de complicações respiratórias e óbitos - a população a partir dos 60 anos de idade. “A maioria das pessoas são portadores assintomáticos e disseminadores de doenças respiratórias. A fim de evitar a aglomeração durante a epidemia pelo COVID-19 e propagação da doença no grupo de risco que será vacinado nessa primeira fase, a vacinação de rotina (crianças e adultos) será adiada no SUS para retornar a partir da segunda fase da campanha, que iniciará no dia 16”, explica a coordenadora da Vigilância Epidemiológica.

Neste período, apenas a UBS do Jardim Bom Pastor vacinará as gestantes.

Caroline Vicentini/NCPMI

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios