Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Decisão foi tomada pelo comitê COFEPRIS, órgão mexicano equivalente à Anvisa, que atestou a qualidade, segurança e eficácia do imunizante

O México aprovou o uso emergencial da vacina Covaxin, fabricada pela empresa indiana Bharat Biotech. O anúncio foi feito na terça-feira (6/04) após o aval do Comitê Novas Moléculas, que é um órgão auxiliar de consulta e pareceres sobre solicitações relacionadas a medicamentos e outros insumos para saúde da Comissão Federal para Proteção contra Riscos Sanitários (COFEPRIS), que desempenha o papel de agência reguladora, equivalente ao da Anvisa no Brasil.

A COFEPRIS é uma das Autoridades Reguladoras de Referência Regional (ARNr) instituídas pela Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) e definidas pelo seu Conselho Diretivo em documento que trata do “Fortalecimento das Autoridades Reguladoras Nacionais de Medicamentos e Produtos Biológicos”. O documento aprovado pela OPAS reconhece a iniciativa regional de elaboração de um instrumento consensuado e de um procedimento para avaliação e qualificação das Autoridades Reguladoras Nacionais nas Américas. O reconhecimento como ARNr denota que uma autoridade cumpre padrões internacionais e altos requisitos sanitários na garantia da qualidade, inocuidade e eficácia de medicamentos e produtos biológicos.

Além disso, a COFEPRIS também é membro do PIC/S, sigla em inglês para Pharmaceutical Inspection Cooperation Scheme, ou Esquema de Cooperação de Inspeção Farmacêutica, órgão que estabelece requisitos e práticas que garantem as bases técnicas necessárias para tornar equivalentes os sistemas de inspeção de boas práticas de fabricação e distribuição de medicamentos em todo o mundo e lastrear acordos vinculantes entres os países membros. Na prática, a aprovação de um dos membros do PIC/S e da ANRr é um aval para as demais agências reguladoras.

A aprovação da Covaxin pela COFEPRIS deu-se por unanimidade. O órgão concluiu que a vacina atende aos requisitos de qualidade, segurança e eficácia necessários para sua aprovação. Os resultados clínicos da fase 3 da Covaxin, realizada na Índia, demonstraram eficácia interina de 81% contra o novo coronavírus. Os estudos foram conduzidos em parceria com o ICMR (Indian Council of Medical Research), órgão de pesquisa médica do governo indiano.

Atualmente, a Covaxin já está sendo aplicada em outros dez países: Irã, Nicarágua, Guiana, Myanmar, Nepal, Ilhas Maurício, Zimbábue, Sri Lanka, Paraguai e Índia.

Vagner Caldeira/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.