Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Uma das pesquisas monitoradas pelo Ministério investiga a eficácia da transfusão de plasma sanguíneo de pacientes convalescentes da doença

O Ministério da Saúde acompanha, diariamente, publicações científicas sobre possíveis atualizações na prevenção e combate ao coronavírus. Uma das pesquisas monitoradas pelo Ministério investiga a eficácia da transfusão de plasma sanguíneo de pacientes convalescentes da doença.

O plasma é a parte líquida do sangue. Uma pessoa que foi infectada pelo coronavírus e conseguiu se curar tem, em seu sangue, anticorpos que podem combater o vírus. As pesquisas científicas investigam a eficácia e a operacionalidade de tentar retirar esses anticorpos de uma pessoa e aplicá-los em outra.

Qualquer investigação sobre cura ou tratamento, porém, passa por etapas até ser oferecida à população. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, explica que a pesquisa sobre eficácia da transfusão do plasma, por exemplo, é um processo.

“Não é um procedimento simples: precisamos identificar qual é o melhor doador e qual é o melhor receptor. Há uma preocupação com a qualidade do plasma, porque nós também não podemos, de alguma forma, transfundir condições que possam causar danos para o indivíduo que vai receber. Ante esse procedimento, que vem sendo estudado, começamos, essa semana, uma força-tarefa no Brasil com instituições filantrópicas e instituições universitárias públicas. Elas estão formando uma frente para, rapidamente, dar uma resposta sobre isso. São vários hospitais com protocolo de pesquisa e em 30 dias teremos resultados preliminares para dar resposta a nós, gestores e secretários de Saúde, se podemos utilizar isso de forma segura para os pacientes.”

O Ministério da Saúde distribui, internamente, boletins diários com o que há de mais atual em publicações científicas sobre a Covid-19. Além de identificar artigos publicados, os técnicos do Ministério acompanham a evolução dos estudos na avaliação metodológica que determinam sua pertinência, sua validade e sua resposta às hipóteses formuladas.

O secretário Denizar explica que, por mais que seja de interesse de todos ter alguma solução o quanto antes, a validação científica de cura ou tratamento passa por várias etapas e que esse processo leva tempo:

“Há uma preocupação muito grande da população – que é totalmente pertinente – em buscar tratamentos que sejam eficazes para a Covid-19. Sabemos que, até o momento, não há nenhum tratamento e cura da doença. Todo o cuidado que é ofertado hoje ao paciente é um cuidado de suporte sintomático, por isso a comunidade científica vem, buscando alternativas terapêuticas para os doentes. Isso desde medicamentos a procedimentos. O nosso papel [Ministério da Saúde] é monitorar diariamente os estudos”.

Foram registrados até agora mais de 22 mil casos confirmados de Covid-19 no Brasil. A doença já causou mais de 1,2 mil mortes no país.

Agência do Rádio

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.