Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em encontro com novos prefeitos, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou a expansão do serviço móvel no estado e destacou a importância da redução dos casos de aids, além do combate ao mosquito

O Ministério da Saúde vai ampliar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) para todo o estado do Paraná. O anúncio foi feito, na quinta-feira (01) pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, no Encontro de Prefeitas e Prefeitos Eleitos do Paraná - Gestão 2017/2020, realizado em Foz do Iguaçu (PR). Com o aumento, o serviço que hoje atende mais de 9 milhões de pessoas, vai beneficiar toda a população paranaense, levando atendimento mais rápido ao paciente.

Saiba quais são as novas ações de gestão para a melhoria da saúde pública

Atualmente, o Paraná conta com 12 Centrais de Regulação do SAMU, 143 Unidades Básicas de Saúde (UBS), 42 Unidades de Suporte Avançado (USA), duas motolâncias e um aeromédico. Esses serviços atendem a 269 municípios. Para o financiamento dessa estrutura, o Ministério da Saúde repassa mensalmente R$ 5,4 milhões. Isso é mais uma mostra do que o órgão vem realizando para concentrar esforços no sentido de implementar a Política Nacional de Atenção às Urgências, da qual o SAMU é componente fundamental.

O SAMU 192 atende mais de 76% da população brasileira: 157,2 milhões de habitantes, distribuídos em 3.049 municípios com acesso ao serviço no território nacional. Em todo o país, o Ministério da Saúde já habilitou 3.108 unidades moveis, sendo 2.525 Unidades de Suporte Básico, 583 Unidades de Suporte Avançado. Além disso, o país conta com 226 Motolâncias, 13 Equipes de Embarcação e 7 Equipes Aeromédicas. Os recursos repassados pelo Ministério para custeio do serviço tiveram aumento significativo, passando de R$ 432,5 milhões, em 2011, para R$ 1,01 bilhão em 2015.

Políticas Públicas

Ao falar para os novos prefeitos eleitos, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou que hoje é o Dia Mundial de Luta contra a aids e pediu o engajamento de todos no combate à transmissão vertical da infecção por HIV. Ele ressaltou que nessa quarta-feira (30), em Brasília, lançou para os municípios um selo de Certificação da Eliminação da Transmissão Vertical de HIV e/ou Sífilis no Brasil. “Hoje é um dia importante de alerta e, por isso, estamos aqui lançando esse desafio para vocês. Atualmente, 260 mil pessoas sabem que têm o vírus e não fazem o tratamento, e 112 mil tem o vírus e não sabem”, alertou o ministro.

Sobre o tratamento, o ministro destacou recente avanço do Sistema Único de Saúde (SUS) nessa área, que foi o início da oferta do Dolutegravir, considerado atualmente o melhor medicamento para tratamento da aids. “A partir de negociação com o laboratório, conseguimos reduzir de US$ 5,10 para US$ 1,50 o preço do medicamento. É o Ministério da Saúde ofertando o melhor medicamento para os brasileiros sem custar mais para o poder público”, afirmou Ricardo Barros. 

DIA D - Além disso, Barros mobilizou os prefeitos e prefeitas para o Dia “D”, que será realizado nesta sexta-feira (02/12) em todo o país. O evento é uma mobilização nacional onde serão realizadas ações para lembrar que toda sexta-feira é dia de eliminar focos do mosquito. A campanha traz como foco “Sexta sem mosquito. Toda sexta é dia do mutirão nacional de combate”.

Victor Maciel/Asimp/MS

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios