Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em Apucarana/PR, criança de seis meses de vida tem doença rara e precisa de medicação que custa R$9 milhões

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública com pedido de tutela antecipada para que a União e o Estado do Paraná adotem, de imediato e independentemente de perícia prévia, todas as medidas administrativas necessárias ao fornecimento, em caráter de urgência, do medicamento de alto custo Zolgensma (Onasemnogeno abeparvoveque) a um bebê de seis meses de vida do Município de Apucarana, R.L.O. A ação requer que o medicamento seja fornecido nos quantitativos que se façam necessários, de acordo com o pedido médico e disponibilizado de forma imediata na dose única prescrita à criança. Em caso de descumprimento da liminar, o MPF pede aplicação de multa diária de R$ 10 mil.

De acordo com os relatórios médicos e demais documentos que embasam a ação, Zolgensma é o único medicamento eficiente capaz de produzir melhora definitiva no quadro clínico de R.L.O e deve ser administrado à criança antes de completar dois anos de idade, o que reforça o caráter urgente da demanda.

Ocorre, contudo, que além de não integrar a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais do SUS, o fármaco possui um elevado valor de mercado, com cotação de US$ 2,1 milhões (aproximadamente R$ 11 milhões). O valor é inviável de ser custeado pela família, cuja renda familiar mensal é de aproximadamente R$ 2.320,00. Recente decreto do Governo do Paraná retirou a cobrança de 17% de ICMS do medicamento, reduzindo seu valor para cerca de R$ 9 milhões. Tendo em vista o alto custo da medicação, não restou alternativa à família a não ser recorrer a medidas judiciais.

AME

Após seu nascimento R.L.O foi internado e diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal – AME. Trata-se de uma doença rara, genética e degenerativa que interfere na capacidade do corpo de produzir uma proteína essencial para a sobrevivência dos neurônios motores. A doença é altamente incapacitante e causa mais comum de mortalidade infantil dentre as condições hereditárias. Por ser rara e com manifestações clínicas muito variadas, existem dificuldades para desenvolvimento de medicamentos efetivos e de estudos clínicos para avaliar possíveis terapias.

Conforme indicação da bula, Zolgensma é uma terapia gênica baseada indicada para o tratamento de pacientes pediátricos abaixo de 2 anos de idade com AME. De acordo com Relatório Médico, a medicação se faz necessária como forma de aumentar a sobrevida dos neurônios motores da criança, retardar o atraso do desenvolvimento motor e a perda da função respiratória, além de proporcionar-lhe uma vida digna.

Na ação, o MPF argumenta que o Sistema Único de Saúde vem negando o fornecimento de medicamentos indispensáveis ao tratamento de enfermidades como a que acomete R.L.O, violando o direito constitucional à saúde e, em última análise, à garantia da vida, previstos na Constituição Federal. “A negativa de fornecimento do medicamento denominado Zolgensma indicado no tratamento da patologia que acomete o paciente, ofende, ainda, o princípio da isonomia e da universalidade do Sistema Único de Saúde”, afirma o procurador da República Raphael Otávio Bueno Santos na ação.

Asimp/MPPR

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.