Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para prorrogação a Taxa de ocupação deve ser superior a 50% dos leitos encontrados no plano de contingência.

Dando continuidade nas ações de apoio estratégico do Governo Federal no enfrentamento da Covid-19 ao estado do Paraná, o Ministério da Saúde já prorrogou 1.370 leitos de UTI solicitados pelo gestor local de saúde, com investimentos de R$ 65,7 milhões, para 18municípios paraenses. São eles: Apucarana, Assis Chateaubriand, Campo Mourão, Cascavel, Cianorte, Colorado, Curitiba, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Goioere, Guarapuava, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, São José dos Pinhais, Sarandi, Toledo, Umuarama.

A pasta da Saúde vem prorrogando os leitos de UTI destinados exclusivamente para o tratamento de pacientes com a Covid-19 desde agosto deste ano. O Ministério da Saúde tem investido o dobro do valor habitual destinado a habilitação de leitos de UTI. Saindo de R$ 800 para R$ 1.600 reais em parcela única. Os gestores dos estados e municípios recebem o valor antes mesmo da ocupação do leito.

O gestor local de saúde pode solicitar ao Ministério da Saúde a prorrogação quantas vezes avaliar necessário, desde atenda as orientações da pasta. Para prorrogação a Taxa de ocupação deve ser superior a 50% dos leitos encontrados no plano de contingência.

Apesar de estados e municípios terem autonomia para criar e habilitar os leitos necessários, o Ministério da Saúde, em decorrência do atual cenário de emergência, tem apoiado irrestritamente as secretarias estaduais e municipais e investido em ações, serviços e infraestrutura para o enfrentamento da doença. O objetivo é cuidar da saúde de todos e salvar vidas.

Desde o início da pandemia, a pasta da Saúde já custeou a manutenção de 808leitos de UTI. O Valor investido pelo Governo Federal é de R$ 115,9 milhões, pago em parcela única para que os estados e municípios façam o custeio dessas unidades pelos próximos 90 dias – ou enquanto houver necessidade em decorrência da pandemia. O quantitativo de leitos a serem habilitados estão relacionados a taxa de ocupação na data da análise.

As medidas fortalecem a rede pública dos estados e municípios e leva atendimento para população em todo o país. Os recursos são repassados a partir da publicação das portarias no Diário Oficial da União.

Bruno Cassiano/Ministério da Saúde

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.