Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado estadual Cobra Repórter (PSD), vice-líder do Governo, recebeu a informação, na segunda-feira (19), que os dois pacientes de Londrina portadores da doença de Fabry, receberam o medicamento, que estava com o repasse atrasado.

 “Apresentei um requerimento no dia 08 de outubro, na Assembleia Legislativa, solicitando providências, em caráter de urgência, para a regularização do fornecimento da medicação Beta-agalsidase para 17 portadores da Doença de Fabry no Paraná. Os pacientes de Londrina relataram que estavam sofrendo com dores necessitando até de morfina em virtude dos atrasos”, explicou o deputado Cobra Repórter.

O requerimento foi endereçado ao governador Ratinho Junior e ao secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

 “Neste mês de outubro, o Paraná ainda não havia repassado as doses da medicação necessária. O medicamento beta-agalsidase é muito caro e o judiciário já reconheceu a necessidade de intervenção do Estado para a disponibilização dos recursos necessários para a compra do referido remédio, visto que ele não está disponível pelo Sistema Único de Saúde”, disse Cobra Repórter.

A doença de Fabry é genética e rara. Trata-se de uma doença progressiva, causada pelo acúmulo de gordura em todas as células do organismo e provoca diversos sintomas, que vão desde dores nos pés e nas mãos até problemas no cérebro, rins e coração.

Meire Bicudo e  Veruska Barison/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios