Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado estadual Cobra Repórter (PSD), vice-líder do Governo, recebeu a informação, na segunda-feira (19), que os dois pacientes de Londrina portadores da doença de Fabry, receberam o medicamento, que estava com o repasse atrasado.

 “Apresentei um requerimento no dia 08 de outubro, na Assembleia Legislativa, solicitando providências, em caráter de urgência, para a regularização do fornecimento da medicação Beta-agalsidase para 17 portadores da Doença de Fabry no Paraná. Os pacientes de Londrina relataram que estavam sofrendo com dores necessitando até de morfina em virtude dos atrasos”, explicou o deputado Cobra Repórter.

O requerimento foi endereçado ao governador Ratinho Junior e ao secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

 “Neste mês de outubro, o Paraná ainda não havia repassado as doses da medicação necessária. O medicamento beta-agalsidase é muito caro e o judiciário já reconheceu a necessidade de intervenção do Estado para a disponibilização dos recursos necessários para a compra do referido remédio, visto que ele não está disponível pelo Sistema Único de Saúde”, disse Cobra Repórter.

A doença de Fabry é genética e rara. Trata-se de uma doença progressiva, causada pelo acúmulo de gordura em todas as células do organismo e provoca diversos sintomas, que vão desde dores nos pés e nas mãos até problemas no cérebro, rins e coração.

Meire Bicudo e  Veruska Barison/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.