Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em Brasília, o chefe da Casa Civil e o diretor-presidente do Tecpar participaram de reuniões na Anvisa e na Embaixada Russa para agilizar o processo de aprovação dos estudos clínicos da vacina no Brasil. Serão testados 10 mil voluntários, com prioridade para profissionais de saúde.

O Governo do Paraná deve submeter à Anvisa dentro dos próximos trinta dias o protocolo de validação para a fase 3 de estudos clínicos da vacina russa no País. Depois de aprovado, a previsão é que o início dos testes aconteça em mais 15 dias. Deverão ser testadas no mínimo 10 mil pessoas no Brasil, com prioridade para profissionais de saúde.

Na quinta-feira (27), o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o diretor-presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado, participaram, em Brasília, de reuniões com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Embaixada Russa no Brasil para agilizar o processo de aprovação dos testes pelos órgãos regulatórios nacionais.

Pela manhã a comitiva paranaense conversou com o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, para ajustar os termos do protocolo. No início da tarde, o encontro foi com o embaixador russo no Brasil, Sergey Akopov, ocasião na qual foram tratadas questões técnicas para o início dos testes e eventual produção da vacina pelo Tecpar.

“Nossa prioridade, agora, é aprovar os estudos clínicos no Brasil. Este é o primeiro passo para a entrada da vacina no País e estamos trabalhando nisso com muito cuidado, transparência e dentro de todos os parâmetros científicos exigidos”, afirmou o chefe da Casa Civil.

Informações

De acordo com o diretor-presidente do Tecpar, o laboratório russo já enviou informações sobre a vacina, que estão protegidas pelo termo de confidencialidade já assinado entre as partes. “Todas essas informações serão submetidas à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e à Anvisa”, disse.

Caso as avaliações e aprovações aconteçam dentro do prazo esperado, Callado acredita que o Paraná poderá começar a testagem em 45 dias, inicialmente com 10 mil voluntários. O número final só será definido após a conclusão do protocolo de validação.

Entendimento

As conversas com a Rússia para uma parceria nos estudos e produção da vacina começaram no final de julho. Em 12 de agosto, o Governo do Paraná firmou um memorando de entendimento com o Fundo de Investimento Direto da Rússia para ampliar a cooperação técnica sobre a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Gamaleya.

Na sequência, equipes do Tecpar e do Instituto Gamaleya assinaram o termo de confidencialidade, passaram a trocar informações e a desenvolver o protocolo de validação, a primeira etapa de todo o processo. As etapas seguintes incluem a organização e início dos testes, o registro e a produção da vacina no Paraná.

Para coordenar as atividades de pesquisa da vacina o governador Carlos Massa Ratinho Junior instituiu o Comitê Técnico Interinstitucional de Cooperação para Pesquisa, Desenvolvimento, Testagem, Fabricação e Distribuição de Vacina contra Sars-CoV-2 (Covid-19) - comitê coordenado pela Casa Civil.

AEN

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.