Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com seis casos confirmados, e 15 pacientes suspeitos em UTI, Marcelo Belinati frisou aos londrinenses para que fiquem em casa e evitem o contágio

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, realizou uma transmissão digital ao vivo, aberta a toda população, na noite de ontem (27). Na ocasião, o prefeito divulgou os números atualizados de coronavírus em Londrina. O novo boletim apontou que, até o momento, a cidade possui seis casos positivos da doença, três a mais que o boletim do dia anterior. Dentre os casos suspeitos, informou que 54 aguardam, em internação hospitalar, o resultado de exames laboratoriais.

Destes 54 pacientes internados com suspeita de infecção por coronavírus, 46 são adultos, dos quais 13 estão em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Outros oito pacientes são crianças, sendo que, destas, duas também estão em UTI.

Todos os pacientes internados, citados pelo prefeito, apresentam sintomas de doença respiratória viral semelhantes ao coronavírus. Os exames laboratoriais foram encaminhados ao Laboratório Central, em Curitiba, e aguardam o retorno. “Estamos em contato com diversos setores, tomando várias ações, para agilizar o resultado dos exames e termos indicadores adequados da doença, o que vai nos dizer qual o rumo que devemos tomar para combater a pandemia do coronavírus. Precisamos de dados, e de testes, para saber exatamente quem tem o coronavírus, e atuar para a proteção e prevenção da nossa população”, adiantou o prefeito.

Reunião

Marcelo citou ainda a reunião que teve na tarde de hoje, com um grupo de empresários londrinenses, em seu gabinete, acompanhados do deputado federal Filipe Barros. Os empresários destacaram que estão preocupados com o impacto provocado pelo fechamento do comércio da indústria e demais atividades econômicas, suspensos até o dia 5 de abril mediante decreto municipal que aplica a quarentena em Londrina.

Segundo o prefeito o grupo relatou as muitas dificuldades resultantes da suspensão das atividades. “Esse é um problema que o mundo todo está vivendo, porque os países todos estão fazendo isolamento social. Os especialistas identificaram que a única maneira de reduzir o número de pessoas infectadas com coronavírus é através do isolamento social. Não é fácil, temos contas a pagar, funcionários, as despesas vêm sem o faturamento. Infelizmente, é algo cruel que está acontecendo no mundo todo”, citou.

O prefeito ressaltou ainda, durante a sua transmissão, que a prioridade em Londrina é preservar a vida e a saúde de todos os londrinenses. E, diariamente, são avaliadas várias propostas e alternativas para combater a propagação do novo coronavírus (COVID-19), que sejam seguras para todos os cidadãos. “Nosso bem maior é a saúde, a vida, porque sem ela, nada tem sentido. Aqui em Londrina, optamos pela vida das pessoas e, por mais doloridas que sejam, vamos aplicar as medidas que protejam a vida do cidadão londrinense. Depois, iremos trabalhar em conjunto e encontrar uma solução, um caminho que nos permita, com segurança, orientado por especialistas e pela ciência, voltar, gradativamente, com as atividades do dia a dia”, esclareceu.

Medidas preventivas

Um grupo composto por médicos epidemiologistas, infectologistas e especialistas de outras áreas, foi instituído pelo Município para reunir informações a respeito da pandemia de coronavírus. As decisões informadas pelo grupo ao prefeito são transpostas para a realidade local, e auxiliar no embasamento de todas as decisões aplicadas em Londrina para conter o avanço do COVID-19 na cidade.

Marcelo ressaltou que todos os países do mundo já indicam o isolamento social como forma mais eficaz de conter a pandemia. “Um terço da população mundial está em isolamento. Países como Índia, com 1,3 bilhão de habitantes, aderiu ao isolamento, assim como Itália, Espanha, Estados Unidos e China”, citou.

O prefeito lembrou que várias autoridades se recusaram a aplicar o isolamento social como primeira medida, ou abriram mão da estratégia antes do fim da pandemia. Com isso, os números de casos positivos e óbitos pelo COVID-19 não param de crescer. “Ontem, o prefeito de Milão, uma das cidades mais ricas da Europa, pediu perdão aos moradores, por ter desistido do isolamento social no final de fevereiro. Há menos de um mês atrás, ele lançou a campanha ‘Milão não pode parar’, e reabriu a cidade inteira. Hoje Milão ultrapassou o índice de cinco mil pessoas que perderam a vida por infecção do coronavírus. Eles evitaram tomar medidas agressivas, e hoje estão chorando todas essas perdas irreparáveis”, frisou.

Ontem (27), a SESA confirmou os dois primeiros óbitos do estado provocados pelo coronavírus, em Maringá. Uma das vítimas, um senhor de 81 anos, contraiu a doença após retorno da filha, que esteve na Espanha. A outra vítima era uma senhora de 54 anos. “Para conseguirmos vencer o coronavírus e salvar vidas, é preciso achatar a curva de infecção. Isso significa diminuir a velocidade com que as pessoas vão se infectar. Ao invés de todo mundo pegar o vírus e ficar doente ao mesmo tempo, esse período de contágio precisa demorar mais. Ainda que seja o mesmo número de pessoas infectadas, se isso acontecer em mais tempo, diminui a gravidade da doença e permitirá que o sistema de saúde trate a todos que precisam”, comentou o prefeito.

Ações da Prefeitura

Pensando em garantir aos londrinenses, além da saúde, o acesso a serviços essenciais, sejam eles sociais ou econômicos, o prefeito decretou diversas medidas que entraram em vigor no âmbito de Londrina, nos últimos dias. Como a campanha de voluntariado, com mais de 300 adesões, lançada nesta semana, e também de doações de produtos e alimentos, com três pontos de distribuição pela cidade. E uma parceria das secretarias municipais de Educação e Assistência Social está oferecendo, às famílias de alunos inscritos no Cadastro Único, kits com alimentos que seriam utilizados pela merenda escolar.

Marcelo citou ainda que várias outras medidas serão divulgadas nos próximos dias, pela Prefeitura. “A vida de cada londrinense é a nossa prioridade número um. Estamos trabalhando em diversas áreas, pensando na economia, nas contas públicas, ampliando as ações de assistência social e dar apoio a quem mais precisa, ou seja, temos um conjunto de ideias sendo discutidas e trabalhadas, para enfrentarmos esse momento difícil com muita segurança”, antecipou.

Para obter informações sobre sintomas do coronavírus, ou onde obter assistência em saúde, o Município disponibiliza o Disque-Coronavírus, no 0800-400-1234. E pessoas interessadas em atuar como voluntários podem se informar na página da campanha, no Portal da Prefeitura, ou pelo telefone 0800-4000-140.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios