Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Grupo de professores e pós-graduandos está ativo desde junho de 2020 e vem trabalhando na criação da plataforma online que vai recolher os dados dos municípios e dispô-los em um mapa interativo. A partir das coletas, é possível à gestão da Saúde municipal traçar estratégias para, em médio ou longo prazo, criar políticas públicas.

O projeto de extensão BR Data – Brasil em Dados, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), atua há pouco mais de um ano no recolhimento e catalogação dos dados relativos à Covid-19 na 17ª Regional de Saúde, com sede em Londrina e que abrange 21 municípios. Objetivo é mostrar o panorama da pandemia na região e dar suporte à criação de políticas públicas. Composto por professores do Departamento de Estatística – Centro de Ciências Exatas (CCE) – e pós-graduandos de áreas afins, o grupo utiliza os dados das secretarias de Saúde dos municípios da Regional, obtidos através de parceria, para catalogar as informações básicas sobre os infectados: bairro, idade, sexo, esquema vacinal, entre outros dados, em Londrina e região.

Segundo o coordenador do projeto e professor do Departamento de Estatística, Rodrigo Rosseto Pescim, o grupo está ativo desde junho de 2020 e vem trabalhando há meses na criação da plataforma online que vai recolher os dados dos municípios e dispô-los em um mapa interativo. “Muitas informações que o prefeito de Londrina apresenta em suas lives semanais, por exemplo, são retiradas dos nossos estudos”, afirma.

A partir do cruzamento de dados cedidos pelas secretarias, o mapa terá o objetivo de mostrar o panorama da pandemia em Londrina. O projeto tem o apoio do Núcleo Interdisciplinar de Gestão Pública (NIGEP), do Centro de Estudos Sociais Aplicados (CESA), e das secretarias de Saúde de Londrina e Arapongas.

Boletim semanal

O software desenvolvido pelo grupo utiliza os dados mais básicos, como idade, sexo, início da contaminação, quantidade de leitos disponíveis, quantidades de vacinados com a primeira e segunda dose ou dose única, entre outros. “Devido à natureza dessa doença, que muda muito rápido, não podemos fazer um levantamento mais espaçado do que semanalmente”, explica.

A partir das coletas, é possível às gestões da Saúde municipais traçar estratégias para, em médio ou longo prazo, criarem políticas públicas. Enquanto o software está em construção, o grupo divulga, semanalmente, as atualizações da pandemia nas redes sociais. Acompanhe o Boletim FB.

Coleta de dados

Embora se dedique exclusivamente à questão da Covid-19 em Londrina e região, o BR Data não foi pensado como um projeto de saúde pública. “Nosso intuito é, com o passar do tempo, analisar os dados relativos ao meio ambiente, dados econômicos, entre outros. Buscar metodologias de análise exploratória dos dados que sirvam para extrair indicadores em variadas áreas”, explica o professor Rodrigo Rosseto Pescim. “Após os três anos de vigência do projeto, certamente renovaremos e aplicaremos essas metodologias em outras áreas”.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.