Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os recursos, liberados na gestão do ministro Ricardo Barros, foram para Atenção Básica, média e alta complexidade e emendas parlamentares que estavam paradas desde 2014

Os municípios que compõem a Região Sudoeste do Paraná, gerenciada pela Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (AMSOP), receberam desde 2016 o montante de R$ 58,7 milhões. Os recursos dizem respeito a investimentos na Atenção Básica, principal porta de entrada para o SUS, serviços de média e alta complexidade e a emendas parlamentares que estavam paradas desde 2014. Os dados foram apresentados pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, ontem (07), durante encontro com os gestores e prefeitos na cidade pólo do consórcio, Francisco Beltrão, e, também em reunião com a Câmara Municipal de Vereadores da cidade.

Confira a apresentação completa (PDF)

Desse total, R$ 12,8 milhões foram destinados à habilitação e/ou qualificação de 62 serviços e 53 leitos de média e alta complexidade que funcionavam sem a contrapartida do Governo Federal. Os recursos reforçam serviços como a Estratégia Rede Cegonha, Rede de Atenção Psicossocial, Saúde Bucal, Rede de Urgência e Emergência e outros serviços em diversas especialidades, pontos importantes e estratégicos para um bom atendimento à população. Apenas este ano, foram investidos R$ 506,7 mil nos municípios que compõem a associação AMSOP.

Além disso, em julho deste ano, a pasta investiu R$ 1,9 milhão para reforçar a atenção básica nos municípios da Região Sudoeste do Paraná. O dinheiro refere-se à habilitação de 46 novos Agentes Comunitários de Saúde, 08 novas Equipes de Saúde da Família, 02 novas Equipes de Saúde Bucal e 02 novos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. No quesito urgência e emergência, foram investidos entre 2016 e 2017 o montante de R$ 5,7 milhões anuais para habilitação ou qualificação de três novas Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h), situadas nos municípios de Francisco Beltrão e Pato Branco.

“Transparência e eficiência sempre foram os pilares da minha gestão e justamente por isso estou prestando contas do que foi feito até agora. Quero reforçar meu compromisso com a saúde da população, não apenas dos 42 municípios abrangidos pelo Consórcio AMSOP, mas também a todas as regiões do Brasil”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Emendas Parlamentares

No ano passado, foram pagos R$ 12,7 milhões, referentes a 76 propostas de emendas parlamentares em 30 municípios do Consórcio AMSOP. Este ano, já foram liberados mais R$ 25,7 milhões para liberação de outras 132 propostas de emendas, beneficiando 41 municípios. Todas estavam aguardando autorização do Governo Federal desde 2014 e são voltadas para aquisição de equipamentos e materiais permanentes, aquisição de produtos médicos de uso único, custeio da Atenção Básica, manutenção de unidades hospitalares, reforma de unidade de atenção especializada em saúde e custeio de serviços de média e alta complexidade.

TIPO DE SERVIÇO

VALOR

Média e alta complexidade – habilitação/qualificação de serviços ou leitos que funcionavam sem contrapartida federal

R$ 12,8 milhões

Atenção Básica – habilitação de 46 novos Agentes Comunitários de Saúde, 08 Equipes de Saúde da Família, 02 Equipes de Saúde Bucal e 02 Núcleos de Apoio à Saúde da Família

R$ 1,9 milhão

Emendas parlamentares – liberação de 208 emendas que estavam paradas desde 2014

R$ 38,4 milhões

*Média e alta complexidade são procedimentos como transplantes, cirurgias cardíacas, oncológicas, ortopédicas, neurológicas, renais, órteses e próteses, leitos de UTI, entre outros.

Gustavo Frasão/Agência Saúde
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios