Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Trabalho preventivo foi intensificado nas localidades com aumento de notificações; confirmado o segundo caso de chikungunya

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou, ontem (8), o relatório epidemiológico sobre a situação da dengue no município. Até hoje, a cidade registrou 48.979 notificações da doença, das quais 24.109 foram confirmadas. Foram descartados 5.930 casos, e aguardam o resultado de exames laboratoriais 18.940 notificações, que seguem em andamento. Os dados são acumulados desde a 1ª semana de janeiro deste ano.

A diretora de Vigilância em Saúde do Município, Sônia Fernandes, frisou que houve um aumento no número de notificações no decorrer das últimas semanas. “Temos acompanhado e também intervindo em algumas localidades, como ocorreu em Irerê. Observamos ali um súbito aumento de notificações suspeitas, então fizemos vistorias, visitas nos imóveis e aplicamos inseticidas há algumas semanas. No entanto, como os focos permanecem nas residências, o número de casos suspeitos voltou a aumentar, próximos da mesma localidade”, destacou.

Mesmo com poucas chuvas, a prevenção à proliferação do Aedes aegypti, que transmite a dengue, zika vírus e chikungunya, deve persistir. Eliminar pontos e objetos que acumulem água são as principais medidas que impedem o avanço destas doenças. “Em Irerê, por exemplo, fizemos todo o trabalho de campo, aplicamos o inseticida para matar os mosquitos em fase alada, mas como os moradores voltaram a ter novos focos, o Aedes se procriou e apareceram, novamente, mais casos. Temos que estar sempre alerta, porque não adianta fazer todo esse trabalho se a comunidade não auxiliar, removendo os focos de dentro das casas”, comentou a diretora da SMS.

Em relação a óbitos, Londrina registrou 41 mortes relacionadas à dengue. Mediante análise e discussão do Comitê de Revisão de Óbitos por Arbovirores, 32 óbitos foram confirmados como provocados pela doença, e nove foram descartados.

Demais endemias

O Município contabiliza mais um caso de chikungunya, totalizando dois casos confirmados da doença neste segundo semestre. “A chikungunya é transmitida pelo mesmo vetor da dengue, o Aedes. Ela pode causar, em cerca de 5% das pessoas que tiverem a doença, incapacidade e casos bastante graves. E isso é muito preocupante, mais um motivo para a população colaborar, ainda mais, com o trabalho de eliminar os focos e criadouros do mosquito”, finalizou diretora de Vigilância em Saúde.

Os sintomas de dengue e chikungunya são semelhantes, pois ambas provocam febre alta, manchas vermelhas e dores no corpo. No caso da chikungunya, as dores se concentram principalmente nas articulações dos pés e das mãos, tornozelos e pulsos, e podem prosseguir por meses.

NCPML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.