Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Encontro reuniu as regionais de Apucarana, Londrina, Cornélio Procópio, Jacarezinho e Ivaiporã, que abrangem 97 municípios. Foi a segunda etapa do Planejamento Regional Integrado. Objetivo é concretizar o plano do governo estadual de levar os serviços mais perto das pessoas.

A Secretaria estadual da Saúde (Sesa) iniciou ontem (20), em Londrina, a discussão da segunda etapa do Planejamento Regional Integrado (PRI) na Macrorregião Norte. Esta área soma 97 municípios, em cinco Regionais de Saúde: Apucarana (16ª) Londrina (17ª), Cornélio Procópio (18ª), Jacarezinho (19ª) e Ivaiporã (22ª).

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, explicou que uma das primeiras ações realizadas nesta gestão, por determinação do governador Ratinho Junior, foi instituir um grupo condutor para discutir a regionalização da Saúde. “O objetivo do PRI é juntar esforços com os municípios. Estamos levando essa discussão para dentro de cada Regional de Saúde, olhando no olho de cada gestor e pensando no benefício da população”, afirmou o secretário.

O projeto, iniciado em 2019, havia sido paralisado com a pandemia da Covid-19 e foi retomado nesta semana, iniciando pela Macrorregião Noroeste, em Maringá, na segunda e terça-feira (18 e 19). A programação deve continuar na próxima semana na Macrorregião Oeste, em Foz do Iguaçu, nos dias 25 e 26, e na Macrorregião Leste, em Paranaguá, nos dias 28 e 29.

O diagnóstico do planejamento já foi finalizado e agora os trabalhos devem incluir a formalização dos eixos. O trabalho de execução do PRI envolve as equipes da Sesa, do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (Cosems/PR) e União, em quatro encontros macrorregionais para alinhar e diagnosticar as ações ligadas ao fortalecimento da Rede de Atenção à Saúde, identificando as necessidades e objetivos de cada região, subsidiando a elaboração de planos a nível regional e macro.

Segundo o representante do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi), Carlos Pilz, o Estado se destaca nacionalmente em ações de melhorias em Saúde Pública. “O Paraná sempre realiza ações bem à frente dos demais estados. Todos estamos bem empolgados em participar deste trabalho e a medida que formos identificando necessidade de apoio e realização de ações, vamos pactuando esta parceria nas mais diversas regiões”, disse.

A diretora da 17ª Regional de Saúde de Londrina, Maria Lucia Lopes, falou sobre a expectativa desta discussão na região. “A Macrorregião Norte envolve cerca de 2 milhões de pessoas e nós cuidamos dessa população todos os dias. Temos sempre o objetivo de que esse cuidado seja cada vez mais qualificado e atendendo a necessidade da sociedade. Este debate vai, sem dúvida, embasar as novas ações para fortalecimento do atendimento em Saúde nestes municípios”, disse.

COVID-19

O projeto do Planejamento Regional Integrado incluirá um eixo de discussão voltado somente para as ações de enfrentamento à Covid-19, com destaque para o pós-pandemia. O secretário Beto Preto voltou a ressaltar os gargalos da Saúde do Paraná, principalmente após a chegada do coronavírus no Estado.

“Temos que reorganizar este projeto iniciado há dois anos, incluindo principalmente o pós-Covid e as demandas que em determinado momento precisaram ficar em segundo plano, o que inclui cirurgias eletivas, o reforço na Rede de Atenção Primária em Saúde, um outro olhar para a Saúde mental e também o atendimento aos que foram infectados pelo vírus”, disse.

O secretário municipal de Saúde de Londrina, Felippe Machado, também esteve na oficina e ressaltou a participação do Governo do Estado nas discussões. “Estamos há quase dois anos só falando de Covid e a pandemia acabou frustrando algumas ações que eram previstas para a saúde do Paraná. Agora o PRI vai retomar essas discussões em cada cidade para que possamos melhorar cada vez mais a qualidade da saúde da nossa população”, afirmou.

“Cumprimos com parte do nosso propósito que era distribuir e equiparar a cobertura vacinal nos 399 municípios para a população adulta. Os municípios participaram disso e vacinaram de domingo a domingo. Agora precisamos rever este diagnóstico inicial do planejamento e ampliar a discussão com o eixo Covid, sempre com cautela e transparência”, acrescentou Beto Preto.

Presenças 

Participaram do encontro o diretor de Gestão em Saúde da Sesa, Vinícius Filipak; a diretora de Atenção em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes; o secretário da Saúde de Bandeirantes e representante do Cosems, Wanderson de Oliveira; o diretor-geral do Hospital Zona Norte de Londrina, representado a Funeas, Reilly Lopes; a responsável pela coordenação técnica do Cosems/PR, Marina Ricardo Martins; a representante da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR) Campus Londrina, Evelin Massae Ogatta Muraguchi; e a representante da Universidade Estadual de Londrina (UEL), do Departamento de Saúde Coletiva, Marselle Nobre de Carvalho.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.