Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Secretaria da Saúde do Paraná e Sistema Estadual de Transplantes ressaltam a necessidade de de conscientizar a população. Atualmente, mais de 2.000 paranaenses aguardam por uma doação.

A Secretaria da Saúde do Paraná, junto com o Sistema Estadual de Transplantes (SET/PR), celebra o Setembro Verde com homenagens aos doadores de órgãos. A campanha “Doação de órgãos. Fale sobre isso!” é uma ação que pretende mobilizar e conscientizar a população sobre a importância da questão. Atualmente, mais de 2.000 paranaenses aguardam por uma doação.

“A doação de órgãos é um ato de amor ao próximo. Muitas vezes uma família passa pela perda de um ente querido, mas, ao mesmo tempo, o gesto de doar garante que uma outra vida seja salva. Por isso, é importante que as pessoas falem sobre o assunto e possam compreender sua importância”, afirmou o secretário da Saúde, Beto Preto.

O SET/PR registrou neste ano, o menor índice de recusas familiares em entrevistas para doação de órgãos no país, com apenas 24% das famílias entrevistadas se recusando a realizar a doação. O Paraná também é o primeiro Estado a concluir e aprovar um Plano Estadual de Doações e Transplantes, estruturando o planejamento de ações até 2022 e servindo de exemplo para os Brasil.

O Paraná encerrou o ano de 2018 em primeiro lugar no ranking de doações de órgãos no Brasil, com 47,7 doações por milhão de população (pmp). A média nacional foi de 17,7 pmp. Até o fechamento do primeiro semestre de 2019 o Estado continuou liderando a lista de Estados que possuem maior número de doações, com 41,1 pmp. O Paraná também liderou o ranking de transplante de órgãos em 2017 e 2018, com 81,5 e 90,9 pmp respectivamente.

Ações de esclarecimento

Além do Setembro Verde comemorado internacionalmente em homenagem ao doador, a Lei Estadual nº 18.803/2016 instituiu o Setembro Vermelho como sendo o mês dedicado a ações de esclarecimento e incentivo à doação de órgãos e tecidos no Paraná.

“Cada pessoa possui cinco vezes mais chances de precisar de um órgão, do que de conseguir um doador, o que caracteriza a necessidade constante de mais doadores”, disse a coordenadora do SET/PR, Arlene Terezinha Cagol Garcia Badoch. “Neste mês, 67 hospitais que possuem coordenações intra hospitalares de doações de órgãos estão desenvolvendo campanhas junto à sociedade local, incentivando a população a se conscientizar para continuarmos fazendo a diferença”, afirmou ela.

A Central de Transplantes (CET/PR) sediada em Curitiba possui a função de organizar, coordenar, regular e fiscalizar o SET/PR, contando com o apoio das Organizações de Procura de Órgãos (OPOs), situadas em Cascavel, Curitiba, Maringá e Londrina.

Homenagem

Neste domingo, 15 de setembro, haverá uma apresentação da Orquestra Sinfônica do Paraná no Teatro Guaira, em homenagem aos doadores de órgãos. Para o evento serão disponibilizados vários ingressos para distribuição aos pacientes transplantados, familiares de doadores de órgãos e pessoas que trabalham no processo de doação.

Os interessados em participar devem entrar em contato com a CET/PR através do telefone (41) 3304-1912 para retirarem o voucher que dará direito a um par de ingressos. A retirada deve acontecer até esta quinta-feira (12). No dia 20 (sexta-feira), será celebrada uma Missa também em homenagem aos doadores de órgãos no Santuário Nossa Senhora do Guadalupe (Praça Senador Correira, 128 – Centro de Curitiba).

Como ser Doador

É bem simples: avise a sua família. Seus órgãos só poderão ser doados com autorização dos seus parentes mais próximos

Quem pode doar – Qualquer pessoa, após a confirmação da morte e mediante autorização da família;

Quais órgãos podem ser doados – Coração, rins, pâncreas, pulmões, fígado e também tecidos, como: córneas, pele, ossos, valvas cardíacas e tendões. Ou seja, um doador pode ajudar muitas pessoas;

Doador falecido – Pacientes que foram diagnosticados em morte encefálica (ME), o que ocorre normalmente em decorrência de traumas/doenças neurológicas graves, podem ser doadores de órgãos e tecidos. Nos casos em que o falecimento decorre de parada cardiorrespiratória (PCR), podem ser doados tecidos.

Doador vivo – Qualquer pessoa saudável pode ser doadora em vida de um dos seus rins ou parte do fígado para um familiar próximo (até 4ª grau consanguíneo), porém quando a doação de um rim ou parte do fígado for para uma pessoa não aparentada é necessário autorização judicial;

Quem recebe os órgãos – Os órgãos doados são destinados a pacientes que necessitam de transplante e estão aguardando em uma lista única de espera. Esta lista é fiscalizada pelo Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde e pelas Centrais Estaduais de Transplantes. A seleção de um paciente que aguarda por um transplante, ocorre com base na gravidade de sua doença, tempo de espera em lista, tipo sanguíneo, compatibilidade anatômica com o órgão doado e outras informações médicas importantes. Todo o processo de seleção dos potenciais receptores é seguro, justo e transparente

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios