Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do Hospital Universitário (HU) da UEL, incluindo a UTQ do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), receberam o Selo Participação no Registro Nacional de Terapia Intensiva, conferido às UTIs que contribuem com dados para o Registro Nacional de Terapia Intensiva de forma contínua e adequada.

O projeto chamado UTIs Brasileiras, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), tem como objetivo caracterizar o perfil epidemiológico das UTIs brasileiras e compartilhar informações que possam ser úteis para orientar políticas de saúde e estratégias para melhorar o cuidado dos pacientes críticos no Brasil.

Além disso, o projeto visa estimular o uso de indicadores de qualidade e desempenho na gestão das UTIs brasileiras e, com isso, melhorar a qualidade da medicina intensiva e aumentar a segurança dos pacientes no Brasil.

Segundo a médica intensivista Cíntia Grion, responsável pela implantação do sistema no HU, o programa Epimed, disponibilizado para o projeto da AMIB, não é um sistema barato, mas foi viabilizado por meio da AMIB de forma gratuita. O sistema, segundo Cíntia, foi implantado no HU em janeiro deste ano e gera relatório de 12 páginas, que representam um indicador de qualidade. "É como se fosse um banco de dados, tudo converge para que as equipes estejam alertas, vigilantes", explica.

Segundo ela, 400 pacientes do HU já estão cadastrados nesse banco. O sistema permite que o nível das UTIs do HU seja conferido em tempo rea. Cíntia Grion explica que, em uma segunda etapa, um outro selo vai indicar a qualidade de atendimento em Gestão de Indicadores de Qualidade e Desempenho. "Mas o Selo que já conquistamos indica que estamos chegando no nível das melhores UTIs do País", ressalta.

A chefe da Divisão de Terapia Intensiva do HU, Lucienne Tibery Queiroz Cardoso, fala da importância da avaliação da AMIB: "Iniciativas semelhantes em outros países, como Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, mostram-se essenciais para a melhoria da qualidade e segurança de pacientes críticos e são hoje importante base para projetos que têm como objetivo a melhoria da eficiência das UTI e o desenvolvimento de pesquisa clínica de alto nível", ressalta. 

Agência UEL

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios