Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Evento deve reunir agentes penitenciários e representantes do Estado para debater ações integradas na área de segurança pública

Para refletir e buscar soluções à sequencia de rebeliões que atingiram as unidades prisionais do Paraná em 2014 – cerca 23 motins - e mostraram uma crise de gestão das penitenciárias, a Câmara Municipal de Londrina promove hoje (24/11), uma audiência pública sobre o assunto.

O presidente do Legislativo, Professor Rony Alves (PTB), coordenador do evento, informa que o encontro deverá reunir representantes de diferentes segmentos da sociedade civil, agentes políticos e gestores públicos com objetivo de aprovar ao final do encontro uma carta de intenções com propostas para melhoria das condições de segurança das penitenciárias, documento que será encaminhado ao governador Beto Richa (PSDB).

Rony Alves enfatiza que a cidade de Londrina, em razão de sediar duas unidades de penitenciárias estaduais, PEL I e II, poderá enfrentar situações semelhantes àquelas que ocorreram em outros municípios do Paraná. “Já apuramos e já tivemos informações de que a situação é bem complicada, já que em Londrina faltam muitos instrumentos básicos para garantir a segurança dos agentes e dos próprios presos, numa eventual rebelião”, disse o vereador. E completou: “ A situação é séria, precisa ser debatida, exposta para que se encontrem soluções”.

A audiência da próxima segunda-feira terá início às 19 horas e deverá contar também com a participação de representantes do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), da Pastoral Carcerária, do Movimento Nacional dos Direitos Humanos, universitários e docentes do curso de Direito. O evento é aberto à participação da comunidade com transmissão online por meio do site www.cml.pr.gov.br.

Asimp/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios