Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou a continuidade do julgamento que pode afetar as decisões da operação Lava Jato. A nova sessão sobre o tema estava prevista para ontem (3), mas foi suspensa sob o argumento de que não haveria quórum.

Depois de determinar que os réus delatados têm direito a fazer suas alegações finais após os réus colaboradores, o Supremo decidiu na quarta-feira (2) por adotar uma tese, que deve limitar os alcances da decisão. A sessão, no entanto, terminou antes que os ministros deliberassem sobre o assunto.

Uma das propostas de tese é a do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli. Caso ela seja aceita, a condenação poderá ser anulada apenas no caso em que o réu delatado pediu à Justiça para falar por último, mas teve sua solicitação negada em primeira instância, comprovando o prejuízo à sua defesa.

Há uma preocupação da força-tarefa da Lava Jato de que todos os réus delatados pela operação que não puderam apresentar suas alegações finais após os réus colaboradores sejam beneficiados com o julgamento. Uma dos possíveis beneficiários, segundo procuradores, é o ex-presidente Lula, no caso do sítio de Atibaia.

(https://congressoemfoco.uol.com.br)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios